Design que transforma

Ambientes repaginados estimulam a interação e conferem mais qualidade de vida

iG Minas Gerais | Ana Paula Braga |

Recepção decorada pela designer Fabiana Visacro ficou mais acolhedora
Osvaldo Castro
Recepção decorada pela designer Fabiana Visacro ficou mais acolhedora

Toda morada tem seu estilo próprio e, dentro dela, são retratadas as histórias, os anseios, as vontades e as lembranças de quem mora ali, seja por meio de uma peça, um objeto familiar ou um mobiliário. Dona Juraci, por exemplo, que costura bonecas de pano com muito bom gosto, estava com uma ansiedade enorme para ver como elas ficariam expostas no novo quarto. “Ela nos pediu que ficasse em evidência no ambiente e criamos um nicho para elas. E a Juraci ficou muito feliz com o resultado final”, relembra a designer de interiores e artista plástica Analu Guimarães, responsável por repaginar os quartos da casa.

Já Dona Betinha estava amando a sua foto emoldurada na parede do quarto repaginado. “A fotografia com o nome de cada uma delas em cima da cama é um item que parece ser apenas decorativo, mas tem uma importância enorme. Além de contribuir para que os funcionários as reconheçam, a fotografia dá personalidade ao ambiente, o que faz com que cada uma delas se identifique mais com aquele quarto”, explica Analu.

O cheiro de urina presente nos colchões não existe mais. A cabeceira estofada na cama nova evita de elas encostarem na parede fria. Tirar um cochilo após o almoço ficou bem mais agradável com a cortina blecaute, assim como a colocação do criado também foi importante porque antes tudo era posto no chão. “No caso dos quartos, a gente não tinha pretensão nenhuma de estética. A nossa pretensão era o designer, a funcionalidade, as coisas invisíveis, mas que são muito importantes para o bem-estar das pessoas que desfrutam de um ambiente como o cheiro, o toque e as sensações”, explica Analu.

Já a designer Fabiana Visacro quis fazer da recepção algo mais que uma secretaria, já que o local é o primeiro ambiente da casa e precisava ser acolhedor. “Mantive acessórios importantes como mesa e computador, mas trouxe elementos que deixaram o espaço mais pessoal. Os familiares que visitam o lar podem se sentir acolhidos e esperar de uma forma mais à vontade com as poltronas colocadas e, ao mesmo tempo, se aventurar pelas notícias de 60 anos atrás do jornal da época”, relata.

Uma casa predominantemente feminina, que exige espaços mais seguros, acessíveis e agradáveis para morar e conviver. Foi pensando nisso que o designer de interiores e engenheiro civil Luciano Costa reformou o banheiro e criou um lavabo bem próximo ao salão onde as moradoras fazem suas orações diárias. “Antes, elas tinham que descer uma rampa ou pegar um elevador para poder ir ao banheiro. Pensei em fazer algo mais delicado e com a cara das nossas idosas. Tenho certeza que irá contribuir, e muito, para o bem-estar delas”, diz.

Leia tudo sobre: Décor Solidário