CBV terá que atender exigências do Banco do Brasil

Instituição financeira se reuniu com José Roberto Guimarães e Bernardinho e solicita conselho de atletas para ajudar na gestão

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Não bastando atender as exigências da Controladoria Geral da União (CGU), que divulgou relatório final com a presença de várias irregularidades na gestão da CBV, a entidade que rege o vôlei precisará se adequar aos pedidos do Banco do Brasil. A informação é da coluna Painel FC, da Folha de São Paulo.

A instituição financeira já anunciou a suspensão do pagamento dos contratos. Para não deixar de apoiar de forma definitiva o vôlei, o BB exige que a CBV crie um conselho de atletas para participar da gestão. A entidade terá cinco dias para atender o pedido e 90 para implementá-lo.

A decisão aconteceu após conversas com José Roberto Guimarães e Bernardinho, técnicos da seleções feminina e masculina do Brasil, respectivamente. 

Apesar da suspensão dos contratos, Neuri Barbieri, superintendente da CBV, afirmou estar tranquilo sobre a situação. "Acredito que isso não será definitivo. Algumas exigências do CGU já estávamos, inclusive, realizando nestes oito meses em que assumimos. Estamos trabalhando com algumas ações para a reparação de danos", indica, em entrevista ao Redação Sportv. 

Em dezembro, a CBV já havia deixado de receber recursos do BB, previstos para o dia 5. O valor giraria em torno dos R$ 10 milhões.