Quase 60% dos empregos são criados em apenas 35 mil empresas

Esse seleto rol é constituído pelas chamadas empresas de alto crescimento, conceito cunhado pela OCDE para classificar companhias com mais de dez empregados que sustentam aumento do emprego acima de 20% ao ano

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Um grupo de apenas 35.206 empresas foi responsável pela geração de 58,3% dos empregos abertos nas firmas do país com mais uma pessoas ocupada no período de 2009 a 2012. O percentual corresponde a 3,3 milhões de vagas criadas nesses três anos.

Esse seleto rol é constituído pelas chamadas empresas de alto crescimento, conceito cunhado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para classificar companhias com mais de dez empregados que sustentam aumento do emprego acima de 20% ao ano por três anos seguidos, ao menos.

O peso das empresas de alto crescimento no emprego é maior do que sua participação no total de empresas --elas representam apenas 7,6% das companhias com mais de dez pessoas trabalhando.

De 2009 a 2012, o peso dessas companhias no total de postos de trabalho abertos foi maior do que no triênio imediatamente anterior: de 2008 a 2011, esse grupo de empresa representou 56% dos empregos em firmas com mais de dez ocupados.

Os dados integram o estudo "Estatísticas do Empreendedorismo", divulgado nesta sexta-feira (12) pelo IBGE.

Para Isabela Nunes, pesquisadora do IBGE, as empresas de elevado crescimento têm seu desempenho "bastante correlacionado" com o do PIB do país. Ou seja, só não mostraram maior dinamismo porque a expansão da atividade econômica foi comprometida, sobretudo em 2012.

Salários

Apesar de geraram a maioria dos postos de trabalho, as companhias de acelerado crescimento são, em média, menos produtivas e pagam salários mais baixos.

Segundo Nunes, o fato de serem grandes geradoras de mão de obra explica a menor produtividade, pois empregam proporcionalmente muito e produzem um volume menor por trabalhador.

De acordo com os dados do estudo, poucos são os setores nos quais os salários pagos pelas companhias de elevado crescimento superam as demais firmas de mesmo porte (mais de dez empregados). Em média, os rendimentos eram 16,7% menores nas empresas de alto crescimento --elas pagavam uma média de 2,5 salários mínimos, contra 3 salários das demais.

Essa diferença chega a 59,9% nas companhias de água e esgoto e 33% nas de informação e comunicação. Dentre os poucos ramos em que as companhias de expansão acelerada remuneram melhor seus empregados, estava, em 2012, o da indústria extrativa --12,9% a mais.

Perfil

Segundo o estudo do IBGE, 51,7% das empresas de alto crescimento tinham de 10 a 49 empregados em 2012. A idade média das companhias dessa categoria era de 14,6 anos.

Gazelas

O IBGE classificou ainda as empresas "novatas" (com até cinco anos de existência) que também apresentam alto potencial de crescimento no emprego. Batizadas de "gazelas", elas correspondiam a 13,3% do total das companhias de elevado crescimento em 2012. Esse percentual era menor em 2012 (12,4%) e 2010 (11,3%).

Nessa categoria, estão muitas empresas do setor de comunicação, informática e tecnologia de informação.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave