Consumidor não foi às compras

Geralmente, o feriado que antecede o Natal costuma ser o pontapé inicial das vendas natalinas, que este ano não correspondeu às expectativas comerciais para o período

iG Minas Gerais |

Movimento.
 
Feriado lotou malls de Contagem e região metropolitana, mas fluxo não resultou em compras
LEO FONTES / O TEMPO
Movimento. Feriado lotou malls de Contagem e região metropolitana, mas fluxo não resultou em compras

O feriado de 8 de dezembro, que costuma ser o pontapé inicial das vendas de Natal, não correspondeu às expectativas.

Nos shoppings de Contagem e da região metropolitana de Belo Horizonte, o movimento foi menor do que o de um sábado e muita gente foi lá para passear, em vez de comprar.

A expectativa dos lojistas é que o pagamento da segunda parcela do 13º salário ajude as vendas do Natal deslancharem. Até o momento, a comercialização em muitas lojas está empatada em relação ao mesmo período de 2013.

Para a gerente da loja de roupas e artigos femininos Barred's, do ItaúPower Shopping, em Contagem, Maria Cristina Ribeiro, as vendas em 2014 estão deixando a desejar. Ela aponta a Copa do Mundo, eleições e endividamento da população como um dos motivos para o fraco desempenho do varejo.

Ela acredita que o consumidor priorizou o pagamento de dívidas com a primeira parcela do 13º salário e deixou para comprar mais tarde. “Neste ano, o valor do tíquete médio foi reduzido em torno de 20%. Assim, temos que ganhar no volume de peças”, diz.

No mesmo centro de compras, na loja Rabbit, a vendedora Eliane Gomes de Jesus avaliou as vendas para o Natal, considerada a melhor época do ano para o varejo, como morno. Ela conta que as vendas na loja que comercializa roupas femininas, masculinas e infantis de estilo social, foram melhores em 2013. “Acredito que, com o pagamento da segunda parcela do 13º, as vendas vão melhorar. Além do mais, o brasileiro gosta de deixar para comprar na última hora”, aposta.

A vendedora da loja de roupas D'lui Cristina Lopes diz que as vendas estão num patamar próximo ao de 2013. “O ano passado foi melhor. As pessoas estão mais endividadas. Assim, elas devem comprar quando receberem a segunda parcela do 13º”, diz.

Mesmo quem saiu de casa para aproveitar a folga extra não se empolgou com as compras. “Hoje, vim comprar um presente que já estava decidido e ter ideias para os demais. Mas estou achando tudo bem mais caro do que no ano passado”, disse a fonoaudióloga Luciana Tiensoli.

A professora Natália Calil foi ao shopping apenas levar os sobrinhos Lara, 5, e Lucas, 3, para passear e ver o Papai Noel. Compras, só depois da segunda parcela do 13º, mesmo assim, com moderação. “Vou gastar menos do que no ano passado, porque acabei de me casar”, explicou.

Ela não está sozinha. De acordo com pesquisa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), 45,7% dos consumidores pretendem gastar menos do que em 2013. A aposentada Zélia Oliveira também está neste grupo. Passeando com a neta Maria Eduarda, 8, ela disse que fez poucas compras e bem planejadas. “Fiz uma lista”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave