Vereador diz que prefeitura irá cortar o Cesta-Escola

Antônio Carlos (PT) disse na Câmara que o Executivo não irá pagar o benefício para as famílias carentes vinculadas ao Bolsa Família nos meses de janeiro e fevereiro de 2015

iG Minas Gerais | Da Redação |

Antônio Carlos disse que Casa não podem aceitar a medida
João Lêus
Antônio Carlos disse que Casa não podem aceitar a medida

A menos de uma semana de ser votada a quarta reforma administrativa da Prefeitura de Betim que prevê, dentre outras mudanças, a criação de uma Secretaria Municipal de Segurança Pública e, consequentemente, de mais cargos de confiança, o governo municipal anunciou que não vai pagar o cartão Cesta-Escola – vale-alimentação no valor de R$ 100 cedido às famílias de baixa renda do município – em janeiro e fevereiro do próximo ano.

A denúncia foi feita pelo vereador Antônio Carlos (PT) na reunião da Câmara Municipal de terça-feira (9). “Isso é um total absurdo, uma loucura! Imaginar que eles vão cortar um benefício tão importante, justamente de quem mais precisa, dos menos favorecidos”.

Para o parlamentar, caso o Legislativo não tome uma atitude contra a medida do Executivo, estará sendo omisso. “Se nós, vereadores, permitirmos que a prefeitura corte essa ajuda que as famílias carentes recebem, estaremos sendo omissos, fugindo do nosso papel. Não podemos deixar isso acontecer. A prefeitura vai ter que pagar o Cesta-Escola às famílias carentes da cidade”, afirmou.

Indignado, o líder de governo, o vereador Eliseu Xavier (PTB), refutou as declarações de Antônio Carlos. “O governo municipal não cortou nem vai cortar nenhuma família dos programas Cesta-Escola e Bolsa Família. Quando os governos pensam em programas sociais, é para atender às famílias que estão abaixo da linha da pobreza, mas esses programas têm um objetivo. Quando essas pessoas atingem um patamar, são retiradas do programa e emancipadas, para dar lugar a outras famílias”, explicou.

Apesar de Eliseu negar a medida, uma das pessoas beneficiadas pelo cartão Cesta-Escola e pelo Bolsa Família, que pediu para não ser identificada por medo de perseguição, confirmou a denúncia de Antônio Carlos. “A coordenadora do programa no Citrolândia disse na última reunião que o cartão não será recarregado em janeiro e fevereiro. Isso é uma sacanagem que estão fazendo com a gente. Avisam isso de última hora e num período tão apertado? Muita gente depende desse dinheiro para fazer as compras do mês. Eu ia usar os R$ 100 para comprar panetone e chocolate para os meus filhos no Natal”, disse a moradora, que atualmente está desempregada e cria seus dois filhos sozinha.

Cesta-Servidor

Em junho deste ano, Antônio Carlos também denunciou em plenário outro importante corte de benefício para pessoas de baixa renda foi feito pela prefeitura: o do cartão Cesta-Servidor, vale-alimentação no valor de R$ 230 cedido aos servidores da prefeitura. Na época, o prefeito Carlaile Pedrosa (PSDB) baixou instrução normativa no “Órgão Oficial”, acabando com o benefício para 278 pensionistas do Instituto de Previdência Social do Município de Betim (Ipremb).

Negou

Por e-mail, a assessoria da prefeitura se limitou a dizer que um recadastramento das famílias está sendo feito, conforme determina a legislação vigente. Assim, ela negou o corte do cartão. “O programa não irá acabar, assim como o atendimento às famílias em vulnerabilidade social será mantido.”

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave