Traficantes ligados ao PCC são presos em Santa Luzia

Caderno com anotações detalhadas sobre a organização criminosa foi encontrado na casa de um dos detidos; maconha, arma e dinheiro também foram apreendidos

iG Minas Gerais | Da Redação |

Quatro pessoas foram presas, sendo uma delas uma mulher, suspeitas de tráfico de drogas. O grupo, que foi detido na tarde desta quinta-feira (11), em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, pode estar ligado ao Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa que atua no país e tem liderança em São Paulo. Isso porque na casa de um dos detidos, a Polícia Militar (PM) encontrou um caderno com registro de integrantes da quadrilha no Triângulo Mineiro e no Sul de Minas.

De acordo com a Polícia Militar (PM), era realizado um patrulhamento de rotina na rua Petrina Gonçalves Satiro, no bairro Palmital, em uma área conhecida pelo intenso tráfico de drogas, quando os policiais desconfiaram de um Siena prata, que transitava na região. Foi pedido que o motorista parasse e ele não obedeceu, iniciando uma fuga em alta velocidade. Mais a frente, o condutor perdeu o controle da direção e bateu na calçada. Ninguém ficou ferido.

A colisão permitiu que a abordagem e a prisão de Wander Eustáquio Gonçalves, 33, Rhanyere Campelo Costa, 20, e Nelson Maestri Martins, 25. Em uma busca pelo veículo, os militares encontraram duas barras e meia de maconha, mais cinco tabletes da mesma droga, um revólver calibre 32, dois celulares e R$ 234 em dinheiro.

Questionados onde moravam, o trio alegou não ser da cidade. Porém, no carro, a PM localizou uma conta de telefone em nome de Normanda Gomes Costa, 29, namorada de Wander, com endereço de Santa Luzia.

A mulher estava em casa, quando da chegada da PM, e afirmou ser dona do carro usado pelo trio, contudo, disse que tudo de ilícito que fosse encontrado pertencia ao namorado dela. Além de dinheiro, celulares e uma carteira de trabalho em nome de Wilson Renato Cruvinel, foi apreendido um caderno de 96 folhas, dentro de um guarda-roupa, com informações contábeis e citações que fazem alusão ao PCC.

Com detalhes, há informações sobre os 26 integrantes do grupo presos, com número para contato, bem como telefones de familiares. Há ainda, o controle de pagou ou não a mensalidade. A organização da atuação dos suspeitos vai além e ainda conta com o resultado do “salve” (ação grande) do dia cinco de outubro.

A primeira anotação que consta no caderno é do dia cinco de agosto e última do dia 25 de novembro. Devido as informações serem recentes, as suspeitas sobre a participação deles no PCC é ainda maior segundo a PM.

O grupo dispõe ainda de contatos de advogados e número de contas deles. Os quatro presos já tinham passagens por tráfico de drogas e um deles ficou preso por roubo por 14 anos e São Paulo.

Leia tudo sobre: PCCtraficantespresos