Revelação havaiana espera ganhar 'em casa' última etapa do Mundial

John John Florence já não tem chance de título, mas ainda luta para conseguir a sua melhor colocação no campeonato

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Florence começou a surfar ainda quando criança, nas praias havaianas
Divulgação/ Facebook
Florence começou a surfar ainda quando criança, nas praias havaianas

Se Gabriel Medina, 20, é a grande esperança do surfe nacional, John John Florence, 22, é a principal aposta do Havaí para os próximos anos. O atleta é um dos expoentes da nova geração de surfistas, que tem Medina na frente da fila.

"Florence e Gabriel vão ser os dois surfistas para assistir nos próximos cinco ou dez anos", diz Matt Warshaw, autor do livro "Enciclopédia do Surfe" e que deu uma entrevista nesta semana.

Florence foi criado no North Shore, que fica na costa norte da ilha de Oahu, onde está localizada a praia de Pipeline. Começou a surfar ainda quando criança.

Aos 13 anos de idade, ele se tornou o surfista mais jovem a participar da Tríplice Coroa de Surfe, que compreende três etapas no Havaí. Em 2012, foi eleito o novato do ano pela ASP (Associação dos Surfistas Profissionais).

Florence, que é apenas dois anos mais velho do que Medina, começou a disputar a divisão de acesso do surfe em 2008. Quatro anos depois, ele venceu pela primeira vez uma etapa do Mundial, no Rio de Janeiro.

Recuperado de uma lesão na coxa, Florence espera agora vencer no lugar que tanto conhece. "Estou ansioso para disputar o Pipe Masters. Este é o meu evento preferido do ano, é o quintal da minha casa, sempre surfei aqui e quero muito vencer", disse o havaiano.

Florence está na quarta colocação do ranking, com 47.950 pontos. Já não tem chance de título, mas ainda luta para conseguir a sua melhor colocação no Mundial. O máximo que conseguiu até agora foi justamente o quarto lugar em 2012.

Nas últimas quatro etapas neste ano, Florence conseguiu bons resultados. No Taiti, ficou em terceiro. Em Trestles, acabou com o vice-campeonato. Na França, venceu ao bater o brasileiro Jadson André na final. Em Portugal, ficou novamente em terceiro.

Leia tudo sobre: john john florencesurfehavaimundial de surfe