Vice-presidente de Bush diz que ele sabia sobre torturas na CIA

Segundo o relatório do Comitê de Inteligência do Senado, os interrogatórios com suspeitos de terrorismo eram "mais brutais e piores" do que a CIA apresentava à Casa Branca e ao Congresso

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

O ex-vice-presidente americano Dick Cheney disse que o ex-presidente Geroge W. Bush estava "totalmente informado" sobre as práticas de tortura da CIA, reveladas por um relatório do Senado nesta terça-feira (9).

"Ele sabia de tudo que ele queria saber e que ele precisava saber", disse Cheney em uma entrevista à Fox News.

Segundo o relatório do Comitê de Inteligência do Senado, os interrogatórios com suspeitos de terrorismo eram "mais brutais e piores" do que a CIA apresentava à Casa Branca e ao Congresso.

Cheney criticou o relatório, dizendo que era falho e cheio de besteiras. O texto dá detalhes sobre torturas feitas com detidos entre 2002 e 2008, como simulação de afogamento e até alimentação retal.

"A investigação não se deu o trabalho de entrevistar pessoas chave envolvidas com o programa", disse.

O ex-vice-presidente de Bush defendeu a CIA e disse que as técnicas controversas salvaram vidas e produziram resultados.

"O que devemos fazer [com Khaled Sheikh Mohamed, o suposto cérebro dos atentados de 11 de Setembro]? Beijá-lo nas bochechas e dizer: 'Por favor, por favor, nos diga o que você sabe?' Claro que não", disse Cheney.

O relatório, porém, afirma que a tortura realizada pela CIA contra suspeitos de terrorismo não permitiu obter informações válidas.

"Pedimos à CIA para ir tomar medidas e implementar programas que foram projetados para pegar os bastardos que mataram 3.000 de nós no 11 de Setembro e se certificar de que isso não voltaria a acontecer, e isso foi exatamente o que eles fizeram, e eles merecem bastante crédito", disse Cheney.

Cheney foi vice-presidente nos dois mandatos de George W. Bush, entre 2001 e 2009.

Barack Obama disse na terça (9) que a publicação do relatório ajudaria a "deixar essas técnicas aonde elas pertencem -no passado".

Bush havia se pronunciado antes da divulgação do relatório, no domingo (7), mencionando os homens e mulheres que trabalham duro na CIA.

Leia tudo sobre: BUSHCIATORTURASESTADOS UNIDOSMUNDOSEGURANÇAVICE-PRESIDENTERELATÓRIO