Estações do Move sofrem dois casos de vandalismo por mês

Assaltos e depredações geram prejuízos para empresas, prefeitura e usuários do transporte

iG Minas Gerais | joana suarez |

Aviso. Um papel em uma das entradas e vidros no chão mostram que estação foi alvo de vândalos
MOISES SILVA / O TEMPO
Aviso. Um papel em uma das entradas e vidros no chão mostram que estação foi alvo de vândalos

Desde a inauguração do Move, em março deste ano, foram registradas pelo menos 16 ocorrências nos locais de integração e transferência do sistema. Ações de vandalismo e assaltos têm causado prejuízos às empresas de ônibus e à prefeitura, além de transtornos aos usuários da capital. Há cinco dias, a estação Operários, na avenida Antônio Carlos, na região da Lagoinha, está fechada porque teve o vidro da bilheteria quebrado e computadores roubados durante a madrugada. Por causa da burocracia para contratar o serviço para o conserto do vidro (em torno de R$ 1.000), não há previsão para que o ponto volte a funcionar. Cerca de 800 usuários utilizam o local.  

Segundo a empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), não é possível levantar o valor total dos prejuízos, porque os custos já estão incluídos nos contratos referentes à reposição de vidros e à limpeza. Cabe à prefeitura os custos relacionados às pichações, quebra de vidros, mau uso das portas automáticas e demais instalações prediais. As concessionárias do sistema ficam por conta de ressarcir custos relacionados às reposições/conserto de equipamentos, como monitores de LCD e catracas.

Os dados das ocorrências foram fornecidos pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) e mostram que as depredações são rotina. Segundo a entidade, 11 ações tiveram prejuízos inferior a R$ 600, além do roubo de celulares dos funcionários do serviço. Em uma ocorrência, foram levados 12 cartões de vale-transporte carregados, e em outra R$ 6.320 em dinheiro. Na Estação Vilarinho, na região de Venda Nova, os assaltantes levaram computador, impressora, cartões e monitor.

Conforme a BHTrans, a estação Aparecida, na avenida Antônio Carlos, na Pampulha, ficou fechada por quatro meses após depredações durante a Copa do Mundo. No mês passado, a estação entre as avenidas Silviano Brandão e Cristiano Machado, no Bairro Sagrada Família, também foi alvo dos bandidos.

A prefeitura lançou edital de licitação nesta terça para contratar segurança armada nas estações, a partir de fevereiro do ano que vem. Serão 90 profissionais no período noturno (das 19h às 7h), dentro dos terminais. O custo será de R$ 13 milhões.

Alteração

Atenção. Os usuários da estação Operários estão sendo orientados a usar as estações mais próximas, como a Aparecida e Belo Horizonte, para ter acesso às linhas 51, 52, 5250 e 5401.

Saiba mais Prisões. Desde o início da operação do Move, foram efetuadas ao menos 41 prisões de pessoas flagradas cometendo crimes dentro das estações. Casos. Um dos principais problemas registrados são os roubos das placas de alumínio que protegem os módulos de embarque. Essas peças chegam a custar até R$ 300 em ferros-velhos. Valor. Dentro das estações há outros materiais que são alvo de bandidos. Cada módulo de embarque conta com pelo menos quatro TVs de tela plana, além de duas ou três câmeras de monitoramento.

Operação especial de trânsito para as festas vai até dia 5 Com a chegada do Natal e a concentração de veículos e pedestres nos principais corredores e no entorno das áreas comerciais, a BHTrans vai reforçar as ações de trânsito e fiscalização na cidade, em conjunto com a Guarda Municipal e a Polícia Militar. A Operação Final de Ano 2014 tem o objetivo de minimizar os reflexos do tráfego e coibir infrações dos motoristas. As ações ocorrerão até o dia 5 de janeiro nas nove regionais da capital. O foco é priorizar as áreas próximas a centros comerciais onde o estacionamento é proibido, não permitir que os veículos parem em fila dupla ou fechem os cruzamentos, assegurar a travessia segura de pedestres, preservar a área dos pontos de ônibus e de táxi, inibir o transporte clandestino, e manter os reboques em pontos estratégicos.

Mais informações Rodoviária. A partir do dia 19, será implantado um esquema especial para a chegada e saída das pessoas da rodoviária, além de área para os ônibus ao longo da avenida do Contorno. Algumas viagens serão transferidas para a Estação José Cândido da Silveira, que pode ser acessada por meio do Move. Detalhes. Para mais informações sobre as operações acesso o site bhtrans.pbh.gov.br.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave