PIB mensal aponta estagnação do país no mês de outubro

Na comparação com mesmo mês de 2013, queda é de 0,3%.

iG Minas Gerais |

SÃO PAULO. Embora a economia brasileira tenha saído oficialmente da recessão no terceiro trimestre, o quadro de estagnação parece não ter mudado. É o que apontou o Indicador Serasa Experian de Atividade Econômica, o chamado PIB Mensal, que registrou avanço nulo (0,0%) no primeiro mês do quarto trimestre, com os ajustes sazonais.  

Em comparação com outubro de 2013, houve queda de 0,3% na atividade econômica no país. Com este resultado, o período de janeiro a outubro deste ano manteve uma alta de apenas 0,2% frente ao mesmo período do ano passado.

Pelo lado da oferta agregada, o mês de outubro foi marcado por recuos de 0,4% na atividade agropecuária e de 0,6% na atividade do setor industrial.

Já o setor de serviços encerrou o mês com pequeno crescimento de 0,1%, frente ao mês imediatamente anterior.

Pela ótica da demanda agregada, o consumo das famílias registrou alta modesta de 0,3% na abertura do quarto trimestre. Mas esse crescimento não foi compartilhado pelos outros componentes da demanda agregada, que caíram. São eles: o gasto do governo recuou 0,9%; os investimentos encolheram 1,1%; as exportações caíram 7,7%, e as importações, 9,7%.

Investimentos em baixa. De acordo com a Serasa, com a queda registrada de 1,1%, os investimentos no Brasil acumularam uma baixa de 7,9% nos dez primeiros meses de 2014. É um índice bastante representativo.

Para os especialistas de mercado, este foi o principal elemento que pesou negativamente sobre o crescimento da atividade econômica agora em 2014.

Segundo os economistas da Serasa Experian, as incertezas associadas à eleição presidencial no mês de outubro, os baixos índices de confiança tanto dos consumidores quanto dos empresários, além das taxas de juros em elevação, mantiveram a atividade econômica do país em estagnação no início do quarto trimestre deste ano.

Queda

Mercado. Dados do Boletim Focus, que foi divulgado pelo Banco Central, na última segunda-feira, baixaram a estimativa de uma alta do PIB do país neste ano de 0,19% para 0,18%.

Famílias já haviam consumido menos no terceiro trimestre SÃO PAULO. A chamada recessão técnica acontece quando o Produto Interno Bruto (PIB) tem dois trimestres seguidos de queda. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no primeiro e no segundo trimestres deste ano a atividade econômica do Brasil teve quedas de 0,2% e 0,6%, respectivamente. Portanto, o país entrou na chamada “recessão técnica”, o que foi rechaçado pelo governo federal. As famílias brasileiras já haviam consumido menos no terceiro trimestre, registrando uma queda de 0,3% na comparação com os três meses anteriores. Foi o pior resultado de consumo das famílias desde o quarto trimestre de 2008 (queda de -2%), segundo Rebeca de La Rocque, gerente da coordenação de Contas Nacionais do IBGE.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave