Crimes não podem ficar impunes, diz ONU sobre a Comissão da Verdade

Alto-comissário para direitos humanos da ONU, Zeid Ra'ad Al Hussein, defendeu nesta quarta-feira (10) que "não deveria haver impunidade" em relação crimes contra a humanidade

iG Minas Gerais | Folhapress |

O alto-comissário para direitos humanos da ONU (Organização das Nações Unidas), Zeid Ra'ad Al Hussein, defendeu nesta quarta-feira (10) que "não deveria haver impunidade" em relação crimes contra a humanidade, como os admitidos no relatório da CNV (Comissão Nacional da Verdade).

O comentário foi feito especificamente em mensagem na qual Ra'ad Al Hussein comenta o documento brasileiro. Ele parabenizou o Brasil pela iniciativa e também citou o relatório do Senado dos Estados Unidos, divulgado na terça-feira (9), em que a prática de tortura por agentes da CIA (agência de inteligência dos EUA) é confirmada.

"Poucos países admitirão que seus aparatos estatais foram usados para praticar tortura, e muitos negarão sem embaraço --até mesmo quando os fatos foram bem documentados por órgãos internacionais de direitos humanos, e as cicatrizes são visíveis demais nas vítimas que conseguiram escapar", diz trecho do texto.

Um dos principais debates nos quais a Comissão da Verdade está envolvida é uma possível revisão da Lei de Anistia, que perdoou crimes cometidos durante a ditadura tanto por militares como por civis envolvidos na luta armada.

"Enquanto levará tempo para analisar o conteúdo desses dois relatórios históricos --e eu não pretendo apressar tal análise--, nós podemos tirar algumas conclusões importantes sobre o fracasse em erradicar esse sério crime internacional, para o qual não deveria haver estatuto de limitações e impunidade", conclui.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave