Relator da CPI da Petrobras não pede nenhum indiciamento

Deputado Marco Maia (PT-RS) entregou relatório nesta quarta-feira (10) que não solicita qualquer punição a políticos citados como beneficiários de repasses dos supostos pagamentos de suborno a diretores da estatal

iG Minas Gerais | Folhapress |

O relatório final da CPI mista da Petrobras, apresentado nesta quarta-feira (10) pelo deputado Marco Maia (PT-RS), não pede o indiciamento de nenhum dos envolvidos nos esquema de corrupção da estatal. O texto de 903 páginas solicita às autoridades, como Ministério Público e CGU (Controladoria-geral da União), o aprofundamento das investigações já em curso.

O relatório do petista não solicita qualquer punição a políticos citados como beneficiários de repasses dos supostos pagamentos de suborno a diretores da estatal. Maia destaca, porém, as fortes suspeitas de pagamento de propina a servidores da Petrobras por parte de funcionários da empresa holandesa SBM Offshore.

O deputado reitera que houve superfaturamento nas obras da refinaria Abreu e Lima e sugere alterações na legislação que dita as regras de contratações das empresas estatais. O documento é dividido em quatro eixos. No trecho que aborda a Operação Lava Jato, são citados 53 nomes.

Entre eles, há os dos ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Renato Duque, além dos ex-gerentes Pedro Barusco e Silas Oliva.

No relatório, o deputado pede ainda que o STF (Supremo Tribunal Federal) dê continuidade ao julgamento de um processo referente às regras de financiamento de campanhas políticas no país. O parecer de Marco Maia deverá ser votado em sessão da CPI na semana que vem.

Como o texto isenta políticos e outros agentes públicos, porém, a oposição tende a apresentar um relatório paralelo ao assinado pelo petista. "A CPI corrobora e ratifica os procedimentos de indiciamentos e denúncias adotados (...) e recomenda o aprofundamento das investigações com vistas a apurar a responsabilização dos investigados na Operação Lava-Jato", diz Maia no texto.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave