'Nem os militares querem intervenção militar', diz Temer

Segundo vice-presidente, as próprias Forças Armadas são contrárias e "ficam até irritadas" com a defesa feita nos últimos meses por alguns manifestantes em protestos contra a presidente

iG Minas Gerais | Folhapress |

Temer diz que Dilma não deverá subir em nenhum palanque no Rio
José Cruz/ABr
Temer diz que Dilma não deverá subir em nenhum palanque no Rio

O vice-presidente Michel Temer (PMDB) classificou nesta quarta-feira (10) como uma "insanidade" o pedido de uma intervenção militar no país.

Segundo ele, as próprias Forças Armadas são contrárias e "ficam até irritadas" com a defesa feita nos últimos meses por alguns manifestantes em protestos contra a presidente Dilma Rousseff (PT). "Essa coisa de pedir intervenção militar é uma insanidade, porque não se sabe o que pode acontecer. E nem os militares querem isso", afirmou.

Em almoço-debate promovido na capital paulista pelo Grupo de Líderes Empresariais, o Lide, o peemedebista avaliou que uma intervenção militar não faria bem nem ao país nem aos próprios militares.

"Eu tenho contato com as Forças Armadas. Sou coordenador da operação nas fronteiras, do Ministério da Justiça, e ninguém quer. Eles ficam até irritados [com pedido de intervenção militar]", disse.

O último protesto contra a presidente realizado na capital paulista, no sábado passado, chegou a reunir cerca de 5.000 mil pessoas, segundo a Polícia Militar. O grupo que defendia uma intervenção militar era formado por cerca de 400 pessoas e chegou a ser separado da manifestação principal por um cordão policial.

Eles caminharam rumo ao Comando Militar do Sudeste, próximo ao Parque do Ibirapuera, depois que a passeata principal saiu. Ao final do percurso, os manifestantes eram menos de cem.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave