Planalto espera reação de militares ao relatório final da CNV

Auxiliares presidenciais dizem que documento foi "duríssimo" por acusar de crimes presidentes e comandantes militares e relativizar o alcance da Lei da Anistia

iG Minas Gerais | Folhapress |

Dilma Rousseff se emocionou e chorou durante a cerimônia de entrega do relatório final
Antonio Cruz/ Agência Brasil
Dilma Rousseff se emocionou e chorou durante a cerimônia de entrega do relatório final

O governo Dilma antevê uma reação pesada ao relatório final da Comissão Nacional da Verdade.

De acordo com auxiliares presidenciais, o documento conclusivo é "duríssimo" por, aos olhos da equipe palaciana, acusar de crimes presidentes e comandantes militares e relativizar o alcance da Lei da Anistia.

Para a comissão, a Lei da Anistia, instrumento crucial para a redemocratização do país e em vigor desde 1979, não deve ser empecilho para se julgar os responsáveis por crimes contra a humanidade. Para o colegiado, o desaparecimento de uma pessoa nunca encontrada é um delito continuado.

O grupo evitou, porém, fazer qualquer consideração sobre a extinção da lei.

Desde a instalação da comissão, em 2012, militares foram criticados nos bastidores por integrantes do Executivo de serem reativos ao acesso a documentos secretos.

Nenhum militar foi membro da comissão, o que pode ter elevado o nível de dificuldades. A ausência de representantes das Forças Armadas incomodou a instituição sob argumento de que a comissão tinha lado.

Leia tudo sobre: Ditadura militarcomissão da verdade