Após denunciar traficante por ameaças, Asprilla deixará terra natal

Na noite dessa terça-feira, ex-jogador divulgou um comunicado em seu site explicando a situação dele e de sua família

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Alvo de ameaças de morte e extorsão por parte de traficantes, o ex-jogador Asprilla, que vestiu as camisas de Palmeiras e Fluminense, comunicou que vai deixar Tuluá, cidade colombiana onde vive. A decisão foi tomada após Asprilla denunciar os responsáveis pelas ameaças à polícia, conforme publicado em matéria do jornal El Tiempo (COL), nessa terça-feira.

Na reportagem, o ex-jogador explicou que foi procurado por quatro homens, que o ameaçaram e o obrigaram a entrar em contato com o traficante " El Porrón", há dois anos procurado pela polícia. Caso contrário, ele e sua família seriam mortos.

Ainda na terça-feira, Asprilla soltou um comunicado direcionado à imprensa, em seu site oficial, no qual explicou a situação vivenciada por ele e seus familiares na Colômbia. O ex-jogador lamentou muito o ocorrido e, principalmente, o fato de ter de deixar o seu povo pela "porta de trás".

"Hoje é um dia dos mais tristes da minha vida. Me deixa triste abandonar minha própria terra, Tuluá, por ser vítima de extorsão de um grupo. Minha família foi ameaçada diante de mim, do meu pai e minhas irmãs. Com toda a impotência e dor, eu tomei a decisão de preservar a segurança dos meus entes queridos e deixar Tuluá. Dediquei toda a minha vida a representar o meu país no exterior e a dar alegria ao meu povo colombiano. Quando por fim me coloco a descansar e retomar meu tempo perdido com o meu povo, sou obrigado a sair pela porta de trás do meu próprio povo. Não sou do tipo que fica quieto diante da injustiça. Desejo comunicar aos meios de comunicação e a todo o país o que aconteceu", escreveu o ex-jogador.

Leia tudo sobre: ameaçamorteasprillaex-jogadorcolombiatraficantes