Brasil tem proposta alterada na COP 20 e Itamaraty tenta reverter

Chamado de "diferenciação concêntrica", o conceito teve sua versão original modificada e, de acordo com organizações sociais, passou a beneficiar apenas os países desenvolvidos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

STOCKXPERT
undefined

Durante apresentação na Conferência Climática das Nações Unidas (COP 20), que acontece em Lima, no Peru, o Brasil alterou o primeiro rascunho da proposta feita para acalmar o debate sobre a culpa histórica das emissões dos gases-estufa, desagradando os negociadores brasileiros. As informações são do portal "G1".

Chamado de "diferenciação concêntrica", o conceito teve sua versão original modificada e, de acordo com organizações sociais, passou a beneficiar apenas os países desenvolvidos. O negociador-chefe do Brasil na COP 20, José Antonio Marcondes de Carvalho, disse que o conceito foi mencionado "de um jeito incorreto" e que eles estão "trabalhando para recuperá-lo". Na prática, a proposta deixa de considerar as obrigações dos países.

A proposta brasileira alocava os países em três níveis. Em cada um deles havia uma série de critérios para diminuir as emissões. No caso, as nações desenvolvidas teriam que fazer cortes em todos os setores da economia, ocupando o círculo central. Já os emergentes, ficariam no segundo nível, com mais opções para frear o aquecimento. Os países vulneráveis não empreenderiam grandes ações e estariam no terceiro nível.

Para o Brasil, o projeto flexibiliza o conceito de "responsabilidades comuns, porém diferenciadas". Ou seja, a nação que se desenvolver mais, deverá trocar o nível de compromisso e investir mais em questões referentes ao clima.

Leia tudo sobre: CLIMAMUDANÇAS CLIMÁTICASBRASILPROPOSTAALTERAÇÃOTEXTOCOP 20PERULIMAITAMARATYMUNDOMEIO AMBIENTE