Afinado com a sinceridade

O cantor e compositor Marcelo Jeneci volta a Belo Horizonte trazendo o novo disco, “De Graça”, na bagagem

iG Minas Gerais | Lucas Buzatti |

Nova fase. No segundo disco, o cantor e compositor paulista inseriu pitadas de psicodelia e experimentalismo a suas delicadas canções
caroline bittencourt/divulgação
Nova fase. No segundo disco, o cantor e compositor paulista inseriu pitadas de psicodelia e experimentalismo a suas delicadas canções

“O que vale nessa vida é ver como você aproveita”. O verso da canção “Melhor da Vida”, do disco “De Graça” (2014), sintetiza bem o momento de Marcelo Jeneci. Aos 32 anos, com o segundo disco na bagagem, o cantor e compositor paulista “se joga” na vida em busca de caminhos sonoros diversos. Celebrando a nova fase da carreira, ele volta a Belo Horizonte para apresentar amanhã no Palladium, as elogiadas melodias de “Feito pra Acabar” (2010) e as novas cores e texturas musicais de seu sucessor.

“O show é uma mistura dos dois discos, com uma pegada mais psicodélica e catártica”, conta Jeneci. “Com o primeiro disco, meu trabalho acabou sendo muito bem recebido por casais, pessoas vivendo romances, começando ou terminando relações. E o que acontece hoje é que essas pessoas se surpreendem com as canções mais psicodélicas e instrumentais”, explica.

Sintetizadores, luzes e projeções também ajudam a colorir o novo show, segundo o músico, que se anima com a ideia de levar o pop para dentro do teatro. “Acho que a experiência fica ainda mais forte, mais poderosa. Também adoro os lugares abertos, mas o teatro é uma caixa, fica tudo condensado, a relação entre palco e plateia diminui e o artista fica mais próximo”, defende.

De Tame Impala a Feist, de Grizzly Bear a James Blake, diversas foram as influências de Jeneci durante o processo criativo do novo disco. “É um trabalho mais expansivo, um momento de viver e de degustar. De ouvir e contar histórias de quem se joga na vida”, conta animado, sem deixar de pontuar o foco constante na produção autoral. “Ouvi muitos discos como referências de soluções musicais nesse processo, mas sinto que, quando estou fazendo música, a bola está comigo, sabe? Sou músico desde criança, é o que eu amo fazer”.

Assim como a ligação precoce com a música, o amadurecimento profissional e a busca pela “verdade” também explicam o capricho e o perfeccionismo que permeiam “De Graça”. “Eu acredito muito nessa ideia de melhorar com o tempo. E isso acontece muito quando a gente se aproxima de verdades e de pessoas verdadeiras. E essas pessoas, que desenham o direcionamento estético do cenário musical, me inspiram muito”, diz.

O músico conta que algumas faixas do próximo disco já estão prontas e devem ser lançadas separadamente no primeiro trimestre de 2015. “Acho que a tendência é ser cada vez mais expansivo, beber de diferentes fontes. Quanto mais eu conseguir transitar entre o complexo, o pop e o psicodélico, mais estarei realizado”.

Fato é que a dedicação e as novas apostas musicais de Jeneci já começam a render frutos. No início deste mês, ele faturou o concorrido prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), na categoria melhor compositor. Antes disso, o disco “De Graça” já havia figurado entre os cinco finalistas do Grammy Latino, na categoria melhor álbum de música brasileira.

“O maior prêmio é ver sua música ecoando no coração das pessoas. Mas é claro que fico muito feliz com esse reconhecimento. São coisas que vêm para carimbar um trabalho feito com muita sinceridade. Nasci pra isso e estou muito a fim da batalha. Vamos nessa!”, brinca.

Abertura. Escolhido para abrir o show de Jeneci, o violeiro Wilson Dias se anima em fazer a ponte entre o urbano e o tradicional. “Lembro que, em 2012, toquei com o Dominguinhos, em Caruaru, e ele falava maravilhas desse rapaz. Estava encantado com ele ”, conta o violeiro do Jequitinhonha.

Jeneci e Dias não conhecem muito sobre o trabalho um do outro. Mas a conexão musical e filosófica já parece estabelecida. “A viola ilustra muito bem a vontade de fazer música não para ser artista, mas para mudar os ambientes, para tocar o coração das pessoas. Para contar histórias. Isso é música de verdade, feita por pessoas verdadeiras”, conclui Jeneci.

Agenda

O QUÊ. MPB Petrobras apresenta Marcelo Jeneci e Wilson Dias

QUANDO. Nesta quinta, às 21h

ONDE. Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1.046, centro)

QUANTO. R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

MAIS INFORMAÇÕES. mpbpetrobras.com.br ingresso.com

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave