Intercâmbio faz conexão entre músicos

Projetos da sociedade civil possibilitam que artistas mineiros façam conexões musicais pelo mundo

iG Minas Gerais | Fábio Corrêa |

Feira. Laura Lopes esteve em Cabo Verde, em abril de 2014,no Atlantic Music Expo
Renato Araujo/divulgação
Feira. Laura Lopes esteve em Cabo Verde, em abril de 2014,no Atlantic Music Expo

O festival Minas Música Mundo, que começa amanhã em Belo Horizonte, reproduz o molde das feiras internacionais de world music, que buscam criar redes compostas de músicos de diversos países. Em abril de 2014, os organizadores Gabriel Murilo e Laura Lopes estiveram em Cabo Verde para a Atlantic Music Expo (AME), que é realizada anualmente.  

A viagem dos dois, inclusive, foi viabilizada pelo programa Música Minas, da Secretaria de Estado da Cultura. Realizada já há seis anos, a iniciativa promove e difunde a música de Minas através da concessão de passagens aéreas a músicos e agentes culturais para apresentações e participações em feiras internacionais. Com o programa, outros três mineiros também estiveram em Cabo Verde.

Gabriel Murilo, que é músico e produtor cultural, também é membro da Embaixada Cultural, que ele considera das “filhas” desse investimento. Murilo já esteve em eventos na Espanha, no Marrocos e em Senegal.

“O objetivo principal não é construir um negócio, mas relações continuadas, calcadas no princípio do intercâmbio cultural, economia criativa e cooperação internacional”, explica. Para isso, o MMM é uma oportunidade ideal. “Viemos desse histórico de mandar gente pra fora e agora estamos no momento de receber outras pessoas aqui”, ressalta.

Segundo os organizadores, o MMM deste ano será um evento “preliminar”. Em 2015, uma nova e ampliada edição do festival trará diretores de festivais de outros continentes além da África. “Vamos trazer uma turma pra cá e fazer uma grande mostra de música mineira para o mundo”, promete.

Assim, o MMM quer estabelecer uma rede que saia do circuito tradicional do mercado cultural. “O evento propõe uma conexão nova, em nível mundial, protagonizada por países do hemisfério Sul. “Como músicos da sociedade civil, queremos ficar mais juntos e, a partir disso, discutir formas de criar uma forma de deixar essas pontes mais curtas”, complementa Murilo. Para ele, o histórico colonizador criou um conceito de “estrangeiro” que é habitualmente atribuído a europeus e norte-americanos. E o MMM quer romper com esse estigma.

Festival. O Festival Minas Música Mundo (MMM) acontece de amanhã a domingo no Teatro Klauss Vianna e no Mercado Distrital do Cruzeiro. Na programação, a cantora angolana Aline Frazão e o compositor cabo-verdiano Dino d’Santiago dividem a agenda com artistas locais.

No Klauss Vianna, dois shows serão realizados por dia, na sexta e no sábado, a partir das 20h30. Entre eles, haverá uma exibição de filmes curtas-metragens. No Multiespaço Oi Futuro, na sexta, às 16h,também acontece a mesa-redonda “Sou do mundo, sou Minas Gerais”, e o debate “Conexões ao Sul do Mundo”, às 18h.

Amanhã à noite, o Mercado Distrital do Cruzeiro, que recebe a programação complementar, abre o Minas Música Mundo com um show do duo luso-brasileiro Xafu, às 23h. Sexta, o local recebe Sérgio Pererê e, no sábado, o DJ Anônimo. No domingo, a festa de encerramento valerá tanto para o MMM quanto para a Mostra Cantautores.

Além do show do Marcos Frederico Quarteto e discotecagem da DJ Naroca, haverá um palco aberto, sobre o qual os músicos poderão trocar experiências criativas “em tempo real”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave