Campanha de vacinação contra poliomielite e sarampo termina na sexta

Crianças que têm entre 6 meses a 4 anos de idade devem ser vacinadas contra poliomielite e as que tem entre 1 a 4 anos devem ser imunizadas contra sarampo

iG Minas Gerais | Da redação |

Vacinação contra poliomielite e sarampo vai até o dia 12 de dezembro
DANIEL PROTZNER / O TEMPO
Vacinação contra poliomielite e sarampo vai até o dia 12 de dezembro

A Campanha de Vacinação contra a poliomielite e o sarampo (triviral) termina nesta sexta-feira (12) em Belo Horizonte. A campanha nacional, que tinha encerramento previsto para o dia 28 de novembro, foi prorrogada na capital mineira por 14 dias.

O objetivo é evitar a reintrodução do poliovírus no país e proteger menores de cinco anos ainda não vacinados, visando garantir a manutenção do estado de eliminação do sarampo e rubéola no país. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), as vacinas estão disponíveis em todos os 147 Centros de Saúde de Belo Horizonte.

Crianças que têm entre 6 meses a 4 anos de idade devem ser vacinadas contra poliomielite e as que tem entre 1 a 4 anos devem ser imunizadas contra sarampo.

Cuidados

Segundo orientação do Ministério da Saúde, as secretarias estaduais e municipais de Saúde devem evitar aplicar a vacina tríplice viral - que protege contra sarampo, rubéola e caxumba - em crianças com histórico de alergia à lactose.

A recomendação vale para o produto fornecido pelo laboratório Serum Institutte of India Ltd.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerias (SES-MG) informou que a vacina também não é indicada para crianças que estiverem com doenças febris moderadas ou graves, e deve ser adiada até que a criança melhore.

Além disso, crianças que fazem uso de imunoglobulina, sangue e derivados também deverão adiar a vacinação por três a 11 meses, visando evitar prejuízos na resposta imunológica pós-vacinação.

Doses

De acordo com a SMSA, as vacinas da atual campanha são de dose única e devem ser aplicadas anualmente nas crianças que pertencem à faixa etária estabelecida.

O órgão lembra que é importante que os responsáveis levem o cartão de vacina da criança. Os cartões mais recentes estão informatizados, portanto, segundo SMSA, é possível verificar no Centro de Saúde se a criança já tomou a vacina ou não.

Caso o responsável ainda assim não saiba quando vacinou a criança, ela poderá ser vacinada novamente.

Leia tudo sobre: vacinaçãocampanhaprorrogada