Ucrânia declara novo cessar-fogo no leste separatista, dizem militares

Caso se mantenha, a trégua pode aumentar as possibilidades de renovação das conversas de paz na capital bielorrussa, Minsk, envolvendo a Rússia, a Ucrânia e líderes separatistas,

iG Minas Gerais | Folhapress |

Forças do governo ucraniano disseram ter suspendido operações de combate nesta terça-feira (9), marcando um efetivo cessar-fogo no conflito com rebeldes separatistas que destruiu parte do leste do país.

Na cidade de Donetsk, principal bastião dos separatistas, um correspondente da Reuters disse que tiros foram ouvidos até às 9h (horário local), mas depois cessaram.

"Forças militares ucranianas suspenderam todas as ações de combate e estão prontas para o Dia do Silêncio [como foi chamada a trégua unilateral], mas se os separatistas atacarem nós vamos responder", disse um porta-voz militar.

O cessar-fogo com separatistas apoiados pela Rússia já havia sido acordado há três meses, mas vinha sendo regularmente violado deixando mortos entre forças do governo, civis e rebeldes. E enquanto o Exército ucraniano lamentava a perda de seis soldados nas últimas 24 horas antes do cessar-fogo, o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, comemorou em Cingapura a ausência de vítimas desde o início da nova trégua.

"Hoje, há uma hora e meia, nós declaramos um novo cessar-fogo", afirmou Poroshenko em um evento em Cingapura. "Nós não temos um tiro, não temos soldados mortos", disse.

Processo de paz

Caso se mantenha, a trégua pode aumentar as possibilidades de renovação das conversas de paz na capital bielorrussa, Minsk, envolvendo a Rússia, a Ucrânia e líderes separatistas, sob observação da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Foram em conversas em Minsk, no começo de setembro, que um plano para paz, incluindo o cessar-fogo, foi traçado.

Mas muito pouco mudou no leste da Ucrânia desde então. No campo de batalha, avanços separatistas continuaram sobre o principal aeroporto de Donetsk, cujo controle é disputado com forças do governo.

Os separatistas exigem que a agenda de negociação inclua o fim do bloqueio econômico da área controlada pelos rebeldes. As demais reivindicações rebeldes envolvem a troca de prisioneiros e a implementação de duas leis ucranianas que preveem anistia para os combatentes rebeldes e dando mais autonomia ao território sob seu controle.

De acordo com a ONU, mais de 4.300 pessoas foram mortos nos oito meses de conflito, o qual levou as relações entre a Rússia e o Ocidente para o ponto mais baixo desde a Guerra Fria.

A Ucrânia e seus aliados, como Europa e Estados Unidos, acusam a Rússia de ajudar os rebeldes separatistas com armas e tropas, o que Moscou nega.

Nova negociação

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que o alívio da tensão no leste da Ucrânia ainda está distante.

Lavrov disse que negociações previstas para acompanhar a trégua unilateral ocorreriam nos "próximos dias", embora não tenha sido marcado um dia certo para as conversas.

"Nos próximos dias, uma reunião com o grupo de contato está planejada, em que será discutido um plano preparado por especialistas militares em medidas práticas [...] com o objetivo de um cessar-fogo definitivo", disse Lavrov, segundo a agência RIA.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave