Sada faz a diferença em projeto de vôlei feminino em Contagem

Participação da empresa em projeto que envolve cerca de 150 atletas fez estrutura receber outro tratamento

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

ESPORTES - CONTAGEM MG - BRASIL - 8.12.2014 - Projeto SADA feminino, em Contagem MG.
Foto: Douglas Magno / O Tempo
douglas magno
ESPORTES - CONTAGEM MG - BRASIL - 8.12.2014 - Projeto SADA feminino, em Contagem MG. Foto: Douglas Magno / O Tempo

O desejo de muitas pessoas de ver um time feminino do Sada em quadra, ampliando o sucesso da equipe adulta masculina, já aparece, mas de um jeito um pouco diferente. Com o apoio da empresa, o projeto Esporte na Cidade, no município de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, já comemora uma caminhada de títulos. O time sub-14 conquistou dois campeonatos no mês de novembro, saltando para quatro as conquistas em 2014. A execução do projeto é da ONG 'De Peito Aberto' e acontece por meio da Lei Federal de Incentivo ao Esporte. 

Não bastando o suporte para a equipe de rendimento, a Sada dá sua contribuição no projeto também para meninas a partir dos sete anos, que tem a oportunidade de usar o vôlei como uma ferramenta de lazer e inserção social. Enquanto os treinos para as mais novas acontecem no ginásio do bairro Califórnia, as mais velhas, da equipe sub-14, buscam resultados positivos em torneios, após atividades no ginásio do Riacho, casa do Sada Cruzeiro.

"A presença da Sada foi fundamental para nós. Alcançamos um outro nível em vários aspectos. O lugar de treinamento mudou. Agora temos à disposição um ginásio com boa estrutura. As horas de treinos também aumentaram de duas para quatro. Isso aumenta a paixão das meninas pela modalidade, as coloca mais próximas e mais envolvidas com o esporte. Além disso, agora temos uniformes para todas as jogadoras, além de bola e todo material necessário", agradece o técnico Hélcio José Pinto, que tem uma rotina corrida.

Enquanto na segunda, quarta e sexta, ele se dedica às meninas da equipe de rendimento, na terça e quinta ele dá uma atenção especial para as garotas que tem o intuito de se divertir e buscar um entretenimento por meio do esporte, algo que lhes dará importantes ensinamentos, como respeito ao próximo, saber perder e ganhar, além de mostrar a importância da convivência em grupo, deixando claro que nada se conquista de forma solitária. Neste meio tempo, Hélcio ainda corre  para a escola Novos Tempos, onde dá aula e também mantém uma equipe de vôlei.

"No Califórnia, são 120 meninas, onde o mais importante é dar espaço para quem tiver interesse. Basta termos vagas e elas estarem estudando. Ali, queremos estimulá-las na prática esportiva, realizando oficinas e tentando a socialização, sem nenhum cunho competitivo. No outro time, são apenas 24 atletas, com outro objetivo. O foco é na  qualidade, no rendimento", indica.

Santa ajuda. A sua presença na escola Novos Tempos, inclusive, proporciona que ele consiga bolsas de estudo para algumas das suas atletas de maior talento. "Boa parte das atletas estudam neste colégio onde eu dou aula. Elas atuam pela equipe do projeto, que tem o apoio da Sada e também pelo time da escola. Consigo um desconto de, no mínimo, 50%", esclarece o comandante.

A observação apurada é uma das funções de Hélcio, que tenta identificar talentos para o time sub-14. A partir do momento em que ele percebe a qualidade de uma das meninas, elas passam a treinar no ginásio do Riacho, onde as atividades têm uma pretensão diferente daquelas lúdicas que acontecem no bairro Califórnia.

"Não são todas as atletas que têm o perfil que precisamos. Entre os meninos, muitos já são altos, coisa que não acontece com frequência entre as meninas. A seleção ali é mais complicada", mostra Hélcio.

Projeto revela potencial. Um dos grandes exemplos desta transição é a central Beatriz Lima, conhecida como Bia. Depois de começar no projeto, ela foi rapidamente selecionada para integrar o time de rendimento. Ano que vem, ela terá 15 anos e irá 'estourar' a idade, não podendo mais participar do projeto. Mas sua evolução será recompensada. Bia já foi selecionada para integrar o time de base do Mackenzie, tradicional clube de Belo Horizonte, responsável pela formação de grandes nomes do vôlei feminino, como a oposto Sheilla e a ponta Gabi.

"Eu sonho em ser uma jogadora como elas. Sou fã da Fabiana, do Sesi-SP. Se isso acontecer vou ficar muito feliz. A estrutura que temos é ótima, temos tudo, tênis, short, meia, blusa, bola, não falta nada. Comecei brincando e hoje já estou prestes a treinar em um grande clube formador. Espero que eu sonho se realiza", afirma a jovem, de 14 anos e 1,84m.

Palavra de Deus. Bia não se esquece da mensagem que recebeu de um pastor, informando que ela teria, em breve duas propostas de caminhos para seguir. "Ele disse que era Deus falando comigo. A primeira oportunidade era mais fácil de seguir. A segunda mais difícil, mas a recompensa seria maior", recorda.

Dias depois, durante as aulas de Educação Física no Colégio Novos Tempos, a promessa se cumpriu. "Pela manhã, recebi um convite para jogar em um clube que nem lembro mais o nome. À tarde, apareceu o convite para fazer parte do projeto que tem o apoio da Sada. Conversei com minha mãe, analisamos e nos lembramos da palavra do pastor. Fui pelo segundo caminho, acreditando que seria o melhor para mim", afirma.

A opção mostrou-se acertada e já rende frutos para a jovem central, que tem nas mãos uma oportunidade de ouro para crescer, ainda mais, tanto na sua altura como na qualidade dentro de quadra. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave