Países vizinhos das áreas mais afetadas pelo ebola devem estar alertas

"Quero que todos os países estejam em alerta e preparados porque não se sabe quando o problema pode chegar", disse David Nabarro, secretário-geral das Nações Unidas

iG Minas Gerais | AGÊNCIA BRASIL |

O enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas sobre o Ebola, David Nabarro, disse nesta terça-feira (9) à "Agência Lusa" que os países vizinhos das zonas mais afetadas pela doença devem estar em alerta e preparados à entrada de casos suspeitos.

"Quero que todos os países estejam em alerta e preparados porque não se sabe quando o problema pode chegar", disse David Nabarro, após uma visita de duas semanas à África Ocidental onde esteve na Libéria, Guiné-Conacri, em Serra Leoa e no Mali.

Ele sublinhou a importância de manter os níveis de alerta e de prontidão nos países vizinhos. Segundo ele, é importante que os países nas regiões próximas das nações afetadas por ebola "estejam bem preparados para a chegada de pessoas suspeitas de terem contraído o ebola".

David Nabarro salientou que é preciso manter a atenção e os esforços para eliminar a epidemia. Ele acrescentou que o surto "ainda é forte" e, por isso, as autoridades sanitárias não podem "relaxar". "Enquanto houver infeções, [o vírus] pode propagar-se facilmente até lugares onde não há vírus".

A epidemia de ebola começou há perto de um ano e já infectou cerca de 16 mil pessoas das quais 7 mil morreram, especialmente na África Ocidental. Os países mais afetados pelo vírus são a Libéria, Serra Leoa e Guiné-Conacri.

Leia tudo sobre: saúdeeboladoençaepidemiaOMSONUMundoÁfrica Ocidentalvírusinfecçãoalerta