Medina tem novo adversário na primeira rodada no Havaí

Os organizadores da prova tiveram que refazer as baterias da primeira rodada, após a lesão do norte-americano CJ Hobgood

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A decisão do título vai ficar para a última etapa da temporada, no Havaí, entre os dias 8 e 20 de dezembro
Divulgação/ Facebook
A decisão do título vai ficar para a última etapa da temporada, no Havaí, entre os dias 8 e 20 de dezembro

Por conta da lesão do norte-americano CJ Hobgood, 35, a organização da última etapa do Mundial de surfe, em Pipeline, no Havaí, teve que refazer as baterias da primeira rodada.

Com o novo chaveamento, o paulista Gabriel Medina, 20, que enfrentaria o espanhol Aritz Aranburu, 29, vai encarar agora o australiano Dion Atkinson, 28, e mais um havaiano que sairá da competição que vai reunir apenas competidores locais e dará duas vagas.

Atkinson é, atualmente, o 27º colocado no ranking. O máximo que ele conseguiu neste ano foi o quinto lugar no Taiti -acabou eliminado pelo havaiano John John Florence.

Já o australiano Mick Fanning, 33, vai enfrentar em sua bateria Aranburu (26º na classificação) e mais um outro surfista local. O americano Kelly Slater, 42, por sua vez, terá pela frente o australiano Adam Melling (25º), 29, e o havaiano Dusty Payne, 25, que participará de uma etapa do Mundial ela primeira vez nesta temporada.

Medina lidera o ranking com 56.550 pontos, seguido por Fanning (53.100) e Slater (50.050). A primeira rodada não é eliminatória. O primeiro colocado passa para a terceira fase automaticamente, enquanto o segundo e terceiro vão para a repescagem.

SEGUNDA CHAMADA

O primeiro dia de competições foi adiado pela organização. Uma nova chamada será feita nesta terça-feira (9), às 15h30 (de Brasília).

Segundo a previsão, 'ondas massivas' vão dar as caras em Pipeline na terça, quando podem atingir até 15 pés (4,6 metros) na parte da manhã. À tarde, as ondas devem ter uma pequena queda.

A previsão é que quarta-feira (10) também seja um dia de ótimas ondas na praia que recebe a última etapa do Mundial e que pode consagrar o Medina como primeiro surfista do país a se sagrar campeão mundial. Segundo a organização, as ondas podem chegar a até 20 pés (seis metros) na quarta.

Leia tudo sobre: gabriel medinahavaietapa pipelinemundial de surfe