Prefeito punido vira ‘faz tudo’

Chefe do Executivo tem que cumprir penalidade fazendo serviços gerais

iG Minas Gerais | Tâmara Teixeira |



Antônio Celso Moreira avalia que faltou atenção ao Ministério Público
Uarlen Valério
Antônio Celso Moreira avalia que faltou atenção ao Ministério Público

São Sebastião do Rio Preto. O novo ‘faz-tudo’ da escola estadual de São Sebastião do Rio Preto é o assunto mais comentado na cidade. Até agora foram dois dias de trabalho. O saldo é um banco consertado, o pátio varrido e as cantineiras satisfeitas com a ajuda recebida.

O que tem chamado a atenção não é o desempenho, mas sua identidade: o encarregado dos serviços gerais é o prefeito Antônio Celso Gonçalves Moreira (PTB), 64.

Pelos próximos três meses, o petebista vai dividir o tempo entre o gabinete e os afazeres na Escola Estadual Odilon Behrens. A prestação dos serviços é uma punição relativa a um processo no Tribunal Regional Eleitoral de Minas.

Em 2010, a coligação de Hélio Costa (PMDB), que disputou o governo do Estado, acionou a chapa de Antonio Anastasia (PSDB) por abuso de poder econômico e político. Na época, vários prefeitos foram intimados a prestar informações à Justiça. Antônio Celso não compareceu às audiências.

O Ministério Público do Estado definiu, por isso, em um acordo, que ele irá trabalhar por quatro horas semanais como serviços gerais. “A gente deixou de dar uma atençãozinha pro Ministério Público”, resumiu o prefeito. Na última quarta-feira, ele começou a cumprir o acordo.

Entre os moradores do município da região Central, o sentimento é um misto de constrangimento e justiça. “É uma vergonha para nós e para ele. Não pela profissão, mas pela situação. Se está fazendo isso, é porque fez algo errado”, afirma o aposentado Mário Gomes, 56.

“Se ele fez algo de errado tem que pagar como qualquer outra pessoa. Fico até surpreso que esteja sendo penalizado. É uma evolução”, diz o comerciante Rogilson de Sá Ferreira, 39. Nos dois primeiros dias de trabalho, o prefeito chegou às 14h e ficou até as 16h.

No período, varreu os corredores e o pátio, carregou tábuas para arrumar um banco, ajudou a fazer suco e lavou vasilhas. As cenas foram acompanhadas por poucas pessoas, já que no período não há aulas regulares, apenas algumas atividades do currículo integral.

As tarefas são ditadas pela diretora, que não quis conceder entrevista. A unidade recebe 220 alunos da 6ª série ao ensino médio. Uma funcionária da escola aprovou a penalidade. “Mas que é estranho é”, disse. Questionado sobre como se sentia, Antônio Celso afirmou que via a situação como “normal”, mas depois admitiu ter ficado “um pouco chateado”. “Não é crime do município. Foi dada a pena, e estou cumprindo.

A juíza disse que podia fazer uma palestra, mas não tenho curso superior. Eu mesmo escolhi a faxina”, conta. Questionado sobre como imagina que a população irá receber a novidade, não demonstrou se importar muito com a repercussão. “Se me perguntarem, eu explico o que houve”. 

Reeleito

Perfil  Antônio Celso está no seu quarto mandato como prefeito. Em 2012, ele ganhou com 57% dos votos. E disse que se acha bem avaliado. “A gente está sempre ganhando aqui”.

Normal

“Não acho que preciso (explicar aos eleitores o que aconteceu). Se alguém perguntar, eu conto. É normal. Não que acho normal um prefeito ser condenado. Mas foi dada a pena, e estou cumprindo”.

Antônio Celso Gonçalves Moreira - prefeito de S. Sebastião do Rio Preto

Leia tudo sobre: prefeitopresojustiça