Moradores fazem campanha

A cidade conta com outras três unidades básicas de saúde, no entanto, elas só funcionam durante a semana, em horário restrito

iG Minas Gerais | Cinthia Ramalho |

Tentativa. Hospital de Rubim tem apenas um médico contratado para uma cidade de 10 mil habitantes
Lorena Lisboa / Divulgacao
Tentativa. Hospital de Rubim tem apenas um médico contratado para uma cidade de 10 mil habitantes

A crise financeira e a dificuldade de encontrar médicos fizeram com que estudantes de Rubim, no Vale do Jequitinhonha, se juntassem para tentar salvar o único hospital do município. Desde o ano passado, os jovens, que fazem parte de um movimento dentro da faculdade Newton Paiva, firmaram uma parceria com o hospital filantrópico São Vicente de Paula e a Copasa para que os moradores de Rubim possam doar o valor mínimo de R$ 5 para a instituição.

Com atendimento exclusivo pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o setor de urgência e emergência da instituição atende uma população de cerca de 10 mil habitantes com apenas um médico contratado e outro plantonista. Além disso, o hospital possui uma dívida de R$ 1 milhão. “Recebemos da prefeitura um teto de R$ 25 mil por mês para internação e de R$ 14 mil para serviços ambulatoriais, valores que não são reajustados há 20 anos”, comenta João Elino, diretor da instituição. A cidade conta com outras três unidades básicas de saúde, no entanto, elas só funcionam durante a semana, em horário restrito. Nos fins de semana, os atendimentos são feitos apenas no Hospital São Vicente de Paula, que chega a receber de 60 a 70 pessoas. Até o fechamento desta edição, a reportagem de O TEMPO não havia conseguido encontrar o secretário de saúde de Rubim para esclarecimentos. As doações para o hospital podem ser feitas por meio da plataforma de financiamento Kickante: madeinrubim.wordpress.com/ 2014/11/21/todos-pelo-hospital.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave