Grandes referências nacionais

Conquistas como Libertadores, Copa do Brasil e Brasileiro deixam rivais no topo do país

iG Minas Gerais | Thiago Prata |

Gigante. Cruzeiro conta com a força do Mineirão para fazer valer mando de campo contra forasteiros
RENATO COBUCCI/IMPRENSA MG – 17.5.2014
Gigante. Cruzeiro conta com a força do Mineirão para fazer valer mando de campo contra forasteiros

“No principal esporte praticado no país, os olhos de todos os brasileiros se voltam para o nosso Estado”. A frase do governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho, surge com várias conotações. É como um grito de glória e de orgulho pelo trabalho desempenhado por Atlético e Cruzeiro, soberanos em 2013 e 2014. Mas é também um ensinamento às demais agremiações, de que os clubes daqui são exemplos a serem seguidos. E funciona ainda como um aviso aos próprios times de BH, para se manterem no topo e continuarem a dar alegrias a duas fanáticas legiões de torcedores.  

Do lado alvinegro, as conquistas da Libertadores de 2013, e da Recopa Sul-American e da Copa do Brasil de 2014. Da ala celeste, o bicampeonato do Brasileirão. Títulos que se juntaram a vários outros nas consagradas galerias de troféus das equipes e que são a forma concreta do sucesso, formado a partir de vários ingredientes oriundos de um planejamento sério e competente.

Não basta ter bons jogadores para reinar no futebol nacional e sul-americano. É necessário uma junção de vários fatores. Estrutura, marketing, comando técnico, eficiência nas contratações, patrocinadores competentes, dentre outros. Tudo isso, Cruzeiro e Atlético mostraram que têm de sobra hoje. E não pretendem parar por aí.

As diretorias de Galo e Raposa já anunciaram que farão o possível para manter os principais elencos do país visando às disputas que virão em 2015, no caso, Libertadores, Brasileiro, Copa do Brasil e Mineiro – com possibilidade de um dos dois rivais participar do Mundial, caso venha o título do principal torneio de clubes da América.

Além disso, buscarão um novo patrocinador master disposto a acompanhá-los nas novas jornadas que virão, nos moldes do belo trabalho feito pelo banco BMG, parceiro dos times durante cinco anos e que não teve o vínculo renovado para a próxima temporada.

A força vinda das arquibancadas também foi crucial para a evolução do futebol mineiro, com o programa de sócio-torcedor de ambos os clubes e as bilheterias rendendo lucros.

A chave para todo esse sucesso é exaltada pelos dois lados. “Essa equipe do Cruzeiro começou a ser montada em meados de outubro de 2012 e hoje estamos colhendo os frutos disso. No primeiro triênio, já conquistamos dois títulos brasileiros e um Mineiro. Os torcedores lotam o estádio, geram receita com o Sócio do Futebol e nos possibilitaram manter essa equipe por dois anos seguidos”, afirmou o presidente da Raposa, Gilvan de Pinho Tavares.

O dirigente celeste está feliz. E o ex-mandatário do clube alvinegro, Alexandre Kalil, que comandou o Galo durante seis anos, também. “Além dos títulos do profissional, nós tivemos o cuidado com a base, foram muitos títulos. O Atlético hoje tem uma casa (Independência) e um salão de festas (Mineirão). Tem um dos cinco melhores CTs do mundo. O nosso estádio vai ser feito, quero estar vivo e ver”, destacou Alexandre Kalil, que deixa o clube para Daniel Nepomuceno. 

Saídas importantes devem ser inevitáveis Se por um lado, Atlético e Cruzeiro deram show em 2013 e 2014, por outro, os dois clubes terão de se desdobrar nos bastidores para manterem os principais nomes em 2015. Só que algumas baixas devem ser inevitáveis. Resta saber se a reposição virá à altura. Na Raposa, parece ser iminente a saída do diretor de futebol Alexandre Mattos, um dos principais responsáveis para o time celeste voltar ao topo do futebol nacional. No Galo, são grandes as chances de o atacante e ídolo Diego Tardelli, referência do time alvinegro, se transferir para algum clube do exterior. Na última sexta-feira, Mattos teve uma reunião com o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares. Ao que tudo indica, Alexandre está de malas prontas para São Paulo, onde deverá exercer a mesma função no Palmeiras, que brigará contra o rebaixamento na última rodada do Nacional. Também na sexta passada, Diego Tardelli concedeu uma entrevista coletiva, em tom de despedida, na Cidade do Galo. O jogador recebeu propostas vantajosas vindas de clubes do exterior, que podem, inclusive, ajudar o Atlético financeiramente.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave