Manifestantes protestam contra Dilma e escândalo na Petrobras

Participantes do ato pediram ajuda da Polícia Militar para excluir da passeata os grupos que pediam intervenção militar

iG Minas Gerais | Folhapress |

Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas
06/12/2014- São Paulo- SP, Brasil- Manifestação contra o governo no vão livre  do MASP na Avenida Paulista.
Foto: Paulo Pinto/ Fotos Públicas 06/12/2014- São Paulo- SP, Brasil- Manifestação contra o governo no vão livre do MASP na Avenida Paulista.

Os organizadores do ato em São Paulo contra o governo da presidente Dilma neste sábado (6) pediram ajuda da polícia para excluir de sua passeata grupos que pediam a intervenção militar. Assim que a manifestação começou a percorrer a avenida Paulista, em direção à rua da Consolação, a Polícia Militar fez um cordão de isolamento, obrigando os manifestantes que carregavam faixas de apoio a uma intervenção militar a permanecerem pareados em frente ao Masp, onde os grupos estavam concentrados.

Apesar da mobilização de políticos nas redes sociais, o número de manifestantes no ato deste sábado se assemelha ao de atos passados. Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar, a concentração do protesto no Vão Livre do Masp, na Avenida Paulista, reuniu cerca de 800 pessoas. O músico Lobão, que se tornou uma espécie de símbolo dos atos contra o governo da petista, disse que não iria se juntar à caminhada enquanto os defensores do golpe ocupassem o mesmo espaço que os demais manifestantes. Com uma fala inflamada, ele cobrou a presença dos políticos que usaram as redes sociais para mobilizar pessoas a participarem do ato.

"Cadê os parlamentares? Só tem 'inimigo' aqui. Cadê o Aécio, o Caiado? Se eu passo aqui e vejo esse pessoal, acho que é tudo a mesma coisa. Estou pagando de otário." Após a saída de Lobão, o deputado José Anibal disse que os parlamentares têm muitas atividades no fim de ano, mas estão mobilizados contra a corrupção. "O Aécio não disse que viria, fez um chamado, mas não disse que estaria aqui."

O grupo que defendia a intervenção se separou por volta das 16h. Em número visivelmente menor que o grupo principal, eles gritavam falas violentas, prometendo dar "um tiro" no ex-presidente Lula. "Se fosse preciso, eu daria", disse Miguel Apolinário, 59, publicitário.

Houve um princípio de confusão entre os grupos. "Eu não posso dividir o microfone com quem há cinco minutos disse que são os militares que vão resolver isso. Essa não é nossa causa." Rogério Chequer, um dos organizados do movimento Vemprarua.

Os manifestantes levavam cartazes contra a corrupção e de apoio a Sergio Mouro, juiz responsável pelo processo da Operação Lava a Jato na primeira instância, e de condenação à aprovação do projeto que autorizou o governo a descumprir a meta fiscal.

"O que me traz a todas as manifestações é a minha indignação, minha vergonha desse governo corrupto. Não sou elite, sou a trabalhadora", disse Crtistiane Tolo, dentista, de 59 anos.

No carro de som também houve críticas à mídia. Os organizadores acusam a imprensa de desqualificar os atos. "Tem muito repórter querendo matéria sensacionalista, hoje não, exigimos respeito."

Convocação

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) e outros líderes da oposição ao PT no Congresso gravaram vídeos convocando pessoas a comparecerem ao protesto contra o governo e a presidente Dilma Rousseff.

Ressaltando que a manifestação deve acontecer "nos limites da democracia", Aécio disse que a mobilização é a "arma que nós temos e eles não têm" para mudar o país. "Pois é, nós já dizíamos que o escândalo da Petrobras era o maior caso de corrupção da história do Brasil. Mas a coisa não para de crescer e agora nós estamos sabendo que não era apenas na Petrobras", diz o senador no início do filme.

Aécio disputou e perdeu a Presidência da República contra Dilma este ano. Desde então, tem feito incontáveis críticas e ataques à gestão da petista. Os depoimentos do mineiro e de outros políticos foram publicados nas redes sociais na página "vemprarua.org.br".

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave