Com um toque tropical

Piquenique e churrasco na praia, na Austrália, e ceia no jardim, na África do Sul

iG Minas Gerais | Tânia Ramos |

Árvore de Natal enfeita as ruas de Brisbane, na Austrália
Kgbo/Commons
Árvore de Natal enfeita as ruas de Brisbane, na Austrália

Sem aquele quê especial que a neve imprime nas celebrações de Natal dos países de clima temperado, a Austrália e a Nova Zelândia resolveram inovar, para, assim como eles, ter o seu White Christmas (Natal Branco, na tradução). Os dois países celebram também o Yuletide – ou seja, Natal em julho –, assim como em dezembro, com algumas tradições semelhantes às do Reino Unido: decorar árvores de Natal, enviar cartões e ceia.

Mas as inovações nos dois países não param por aí. Na terra dos cangurus – onde a carne defumada do animal, acompanhada de molho de brandy, é umas das iguarias da ceia de Natal – e em seu vizinho, as pessoas comemoram o Natal, em pleno verão tropical, com um piquenique na praia, ou fazendo um barbecue (churrasco).

À noite, os australianos também costumam se reunir em praias e parques para outra tradição: os Carols by Candlelight, em que cantam canções de Natal à luz de velas.

Nos dois países, os presentes de Natal são abertos na manhã de 25 de dezembro.

Boxing Day

Das 54 nações da África, continente que reúne uma grande diversidade étnica e cultural, Etiópia e Egito estão entre os poucos países que, de acordo com o antigo calendário juliano, adotado pela Igreja Copta, comemora o Natal em 7 de janeiro, a exemplo da Rússia. Os demais países africanos celebram o 25 de dezembro.

Para tentar driblar as altas temperaturas do verão, que podem ultrapassar os 30°C, a ceia de Natal na África do Sul acontece no jardim ou no quintal das casas. Os sul-africanos também decoram suas residências com árvores de Natal e trocam presentes de Natal.

Igualmente herdado dos ingleses – a África do Sul, assim como a Austrália, foi colônia britânica –, os sul-africanos têm seu Boxing Day, um feriado oficial de compras, que no país é chamado de o Dia da Boa Vontade.

Esse dia de grandes promoções é reconhecido e celebrado em várias partes do mundo: Reino Unido, Austrália, Canadá, Estados Unidos, Nova Zelândia, Hong Kong e, entre outros, os também países africanos Gana, Nigéria e Quênia.

PRESÉPIO

Origem: O presépio, segundo a tradição católica, surgiu no século XIII por iniciativa de são Francisco de Assis. Para celebrar um Natal o mais realista possível e, com a permissão do papa, ele montou um presépio de palha, com uma imagem do Menino Jesus, um boi e um jumento vivos perto dela.

ÁRVORE DE NATAL

Boa sorte: A primeira árvore de Natal, parecida com as que vemos hoje, foi montada em Estrasburgo, na França, em 1605. Segundo consta, as pessoas que a “inventaram” achavam que ela traria boa sorte aos moradores.  Natural: Mas foi só no século XVII, conforme os registros históricos, que os alemães utilizaram o pinheirinho para montar suas primeiras árvores de Natal.  Simbolismo: Os alemães teriam escolhido tal árvore porque acreditavam que suas folhas, sempre verdes, simbolizavam, como Jesus Cristo, a renovação da vida. Estrela-guia: A árvore é sempre desmontada em 6 de janeiro, o dia em que os três reis magos avistaram a Estrela de Belém e decidiram ir ao encontro do Menino Jesus.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave