A3 sedã ‘de entrada’ tem esportividade e conforto

Versão Attraction 1.4 do modelo da Audi pode ser opção aos sedãs médios nacionais

iG Minas Gerais | Raimundo Couto |

Audi A3 sedã Attraction 1.4 TFSI
Isabel Almeida/Carta Z Notícias
Audi A3 sedã Attraction 1.4 TFSI

Se 2014 tende a se encerrar como o de pior desempenho em vendas de automóveis nos últimos tempos, essa realidade não se reflete no segmento dos carros premium. Tanto é que as marcas que fabricam e importam esses modelos estão colhendo bons resultados. Como é o caso da alemã Audi, que tem tudo para cumprir uma meta estabelecida no começo de 2014 e que prevê vendas de 10 mil unidades para o período. Dentro desse plano, um dos produtos responsáveis pelo alcance do planejado é o modelo de maior venda da marca no mundo, o A3, que, neste ano, ganhou carroceria sedã e será produzido no Brasil em 2015.

Longe de ser uma versão popular, esse três-volumes tem o atrativo preço inicial de R$ 94,8 mil – dentro do universo onde orbitam as opções similares, seja pela qualidade, acabamento ou itens de série. Ela é equipada com o motor 1.4 TFSI, turbo e com injeção direta, que gera 122 cavalos de potência entre 5.000 e 6.000 rpm e tem torque máximo de 20,4 kgfm disponíveis na faixa compreendida entre 1.400 e 4.000 rpm. O casamento feliz do motor com o câmbio automatizado de sete velocidades com dupla embreagem S-tronic é capaz de levar o carro de 0 a 100 km/h em 9,4 s, com velocidade máxima de 212 km/h, de acordo com o que informa o fabricante.

Diferenças sutis

Essa versão testada, de “combate”, é basicamente, no exterior, igual à mais cara da gama, com motor 1.8. Enquanto a primeira é calçada com pneus 205/55 em aro 16, a configuração de topo usa 225/45 R 17. No mais, visualmente, nenhuma diferença. Contudo, o pacote de equipamentos é mais reduzido quando comparado ao de outros exemplares desse segmento. Mas, mesmo assim, se destaca entre seus concorrentes diretos, mas de preço mais alto. São cinco airbags – dois frontais, dois laterais e um de joelhos para o motorista –, controles eletrônicos de estabilidade e de tração, sistema start/stop – que desliga o motor automaticamente quando o carro é parado e religa assim que o motorista volta a acelerar.

A unidade testada contava com volante multifuncional com borboletas na coluna de direção para trocas manuais de marcha e sistema de som mais sofisticado. Como opcional, a fábrica oferece sistema multimídia com navegador, controle de cruzeiro, sensor de estacionamento, teto solar e pintura metálica ou perolizada. Com todo esse recheio, o valor sobe para R$ 124 mil.

Mesmo com motor de menor cilindrada, o modelo tem desempenho satisfatório, e os 1.215 kg que pesa não o deixam lento, ao contrário, ele mostra disposição e vitalidade, tanto em arrancadas como retomadas e ultrapassagens.

A transmissão de dupla embreagem faz um bom trabalho, tanto na agilidade quanto na suavidade das trocas de marchas. A suspensão macia absorve de maneira eficiente os impactos causados pelos rotineiros buracos das estradas brasileiras. Painel de instrumentos e o display central que reúne informações do computador de bordo e de som têm leitura simples, e o volante multifuncional da versão avaliada, a Attraction, ainda conta com borboletas para as trocas sequenciais das marchas. O ar-condicionado não é digital, e ele não conta com nenhuma assistência para estacionar – não tem sensores tampouco câmera de ré.

Leia tudo sobre: avaliaçãoAudiA3sedãSedanAttractio1.4 TFSIturbo