CBF apresenta limite de jogos e proteção contra Justiça comum em 2015

Entidade determinou que cada jogador poderá fazer 60 partidas, conforme consta no Regulamento Geral de Competições

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Marin quer manutenção do foco e sonho de título em 2014
Paulo Mumia/VIPCOMM
Marin quer manutenção do foco e sonho de título em 2014

A CBF divulgou nesta sexta-feira (5) o Regulamento Geral de Competições de 2015. O documento apresenta modificações para a próxima temporada do futebol brasileiro. A mudança que chama mais atenção é o limite de 60 partidas por jogador em competições organizadas pela entidade. A modificação parece uma resposta ao grupo Bom Senso F.C., que reivindica um controle mais adequado do calendário anual, mais próximo dos padrões europeus, para não sobrecarregar os atletas. No entanto, o alto limite de jogos estabelecido pela entidade pode desagradar o Bom Senso. Como o Campeonato Brasileiro tem 38 rodadas e a Copa do Brasil tem 14, poucos jogadores fariam mais do que 60 jogos em competições organizadas pela CBF (os estaduais são organizados por entidades de cada estado). Outra novidade é a limitação do intervalo mínimo entre jogos, que foi reduzido de 66 para 60 horas entre partidas. A CBF também incluiu artigo em que obriga os clubes que participam de competições organizadas pela entidade a desautorizar torcedores que acionem a Justiça comum para decidir sobre questões esportivas. O surgimento do artigo parece influenciado por casos como o da Portuguesa, que após ter sido rebaixada em 2013 por decisão do STJD viu diversos de seus torcedores recorrerem à Justiça comum na tentativa de impedir o descenso do clube. "Os clubes participantes das competições nacionais obrigam-se e comprometem-se a impedir ou desautorizar por escrito, que terceiros, pessoa física ou jurídica, pública ou privada, façam uso de procedimentos extrajudiciais ou judiciais para defender ou postular direitos ou interesses próprios ou privativos dos clubes em matéria ou ação que envolva diretamente a CBF ou tenha reflexos sobre a organização e funcionamento da CBF ou das suas competições", diz o artigo.

Leia tudo sobre: cbfregulamentobom senso fcfuteboljustiça