Ação de segurança conta com 20 mil profissionais

Em MG, 1.300 câmeras monitoraram agentes, coordenados pela Seds

iG Minas Gerais | BERNARDO ALMEIDA |

Balanço parcial. Em apenas quatro horas, 11 motos irregulares foram apreendidas no centro de BH
MARIELA GUIMARAES / O TEMPO
Balanço parcial. Em apenas quatro horas, 11 motos irregulares foram apreendidas no centro de BH

Mais de 20 mil profissionais de segurança participaram nesta sexta de operação conjunta feita por governo federal e as secretarias das 27 unidades da federação, para combater o crime. Em Minas Gerais, o Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) contou com 1.300 câmeras para acompanhar os trabalhos de agentes, coordenados pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Imagens da operação Brasil Integrado – que pela primeira vez englobou todos os Estados – foram monitoradas em Brasília (DF) durante 24 horas, ao vivo. “Concentramos as atividades no dia a pedido do Ministério da Justiça, mas, em regra, elas já são realizadas em dias espalhados do mês”, explicou o secretário adjunto de Defesa Social, Robson Lucas da Silva. “É uma operação geral de combate ao crime. Nas regiões de divisas, principalmente com Rio de Janeiro e São Paulo, intensificamos a busca por pessoas que cruzam os Estados para traficar armas e explodir e assaltar caixas eletrônicos”, explica Silva. A Seds reforçou os trabalhos das operações Divisas Seguras, Impacto e Lei Seca e aumentou a fiscalização do trânsito, com a intensificação das ações e abordagem a motociclistas irregulares. Pela manhã, a blitz pinçamento foi montada na praça Sete, na região Centro-Sul da capital, para fiscalizar a documentação dos motocicletas e condutores. Das 7h30 às 11h30, 31 motociclistas foram multados, 15 boletins de ocorrência foram lavrados, e 11 motos foram apreendidas. É o caso de Robson Cardoso, 29, motofretista que estava com a documentação do veículo vencida há sete anos. “Eu só usava a moto em uma chácara, lá em Caeté (na região metropolitana). Hoje vim à Unidade de Atendimento Integrado e fui parado”, disse Cardoso, sem contestar a apreensão do veículo. Já o promotor de vendas Erick Wesley, 21, estava inconformado. “Me pararam porque a placa está ligeiramente levantada. A moto já estava assim quando eu a comprei, há um mês”, reclamou. O jovem contou que usa o veículo para trabalhar. “Tenho que correr para recuperar a moto hoje (nesta sexta) ainda e não pagar mais diárias com o fim de semana prolongado”, disse. O sargento do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (PM) Wellington Itamar de Oliveira Silva justificou que as motocicletas foram o alvo da ação por prevenção. “Muitos criminosos usam motos porque são veículos mais fáceis de realizar fugas. Eles levantam ou raspam as placas para impossibilitar a identificação do veículo”, disse. À noite, a Seds realizou blitze de Lei Seca em regiões da capital com concentração de bares. Brasil. É a quarta edição da operação Brasil Integrado. “Fazemos isso com base na experiência em testes feitos na Copa para consolidar um processo de integração permanente”, disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. “Hoje podemos dizer que é possível fazer esse tipo de operação”, acrescentou.

Balanço Parcial. Até as 19h30 desta sexta, em Minas, 107 tinham sido presos, e mais de 72 kg de drogas, apreendidos, segundo a Seds. Nas primeiras 12 horas de ação, houve 292 prisões no país, segundo o ministério.

Sarzedo Caixa. Suspeitos invadiram uma agência bancária em Sarzedo, na região metropolitana, e explodiram um caixa nesta sexta. Segundo a Polícia Militar, não há informações se algum valor foi levado. Onda. Nesta semana, houve ao menos outros dois crimes similares na região metropolitana. Na quarta-feira, um trio explodiu um terminal na avenida Pedro II, na região Noroeste da capital, e teria fugido sem dinheiro. Dois caixas foram danificados nesta quinta durante tentativa de furto a uma agência em Ribeirão das Neves, na mesma região. Ninguém foi preso.

Escolha de dia foi estratégica, diz ministério O Ministério da Justiça informou que o dia desta sexta foi selecionado para a realização da operação Brasil Integrado após negociação com secretarias de segurança dos Estados e por a data tradicionalmente ser de pagamento de salários e maior fluxo de dinheiro, o que chama a atenção de bandidos. Na última edição da ação, feita em 4 e 5 de novembro em 20 Estados – no Nordeste e nos de fronteiras –, 436 pessoas foram presas e houve apreensão de cinco toneladas de drogas, cem armas, 1.700 munições e 427 veículos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave