Laboratório lança teste para diagnosticar doença "prima da dengue"

Teste molecular para diagnóstico da febre chikungunya será primeiro disponível na rede privada de saúde; nos primeiros dias da doença, a sensibilidade do teste é de quase 100%

iG Minas Gerais | Da Redação |

Desde o começo do ano foram confirmados 20 casos de chikungunya.
Divulgação
Desde o começo do ano foram confirmados 20 casos de chikungunya.

O Grupo Fleury lança nesta sexta-feira (5) um teste molecular para diagnóstico da febre chikungunya, o primeiro disponível na rede privada de saúde. O exame já é realizado na rede pública de saúde. Atualmente, o país tem 1.364 casos de chikungunya, infecção transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue.

Nos primeiros dias da doença, a sensibilidade do teste é de quase 100%, segundo o infectologista Celso Granato, diretor clínico do Grupo Fleury. A partir da segunda semana, é indicado outro tipo de teste (sorologia). Até então, diante de uma suspeita de chikungunya, amostras de sangue de pacientes privados eram mandados para os EUA. O exame custava R$ 999 e demorava 11 dias para ficar pronto. Agora, custará R$ 270 e ficará pronto entre 24h e quatro dias (dependendo da região e se for feito no fim de semana, por exemplo).

Para Granato, o teste é importante para diferenciar o diagnóstico do chikungunya do da dengue, já que os sintomas (febre, mal-estar e dor nas articulações) são semelhantes, mas pode haver diferenças no tratamento. Um erro de diagnóstico pode fazer com que os profissionais deixem de agir rapidamente no caso da dengue, provocando um agravamento do quadro e mesmo a morte do paciente.

Já na febre chikungunya, em 50% dos casos as dores nas articulações (artrite) perduraram por meses, o que vai demandar outros tipos de medicações (corticoides, por exemplo) e profissionais da saúde (como reumatologistas e fisioterapeutas). "O diagnóstico correto é importante para definir o tipo de tratamento e indicar qual será a possível evolução da doença", explica Granato.

Teste rápido

A Fundação Oswaldo Cruz está desenvolvendo um teste rápido capaz de identificar casos de febre chikungunya, similar ao de gravidez - só que com uma pequena quantidade de sangue em uma fita indicativa. A ausência de imunidade torna os brasileiros mais suscetíveis ao chikungunya. Segundo especialistas, a previsão é de aparecimento de mais casos com a chegada do verão e aumento do volume de chuvas em algumas regiões do país.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave