Putin condena países ocidentais por isolarem Rússia

Presidente disse que a Rússia não iria escolher o caminho do isolamento e iria continuar a cooperar com os Estados Unidos e a Europa, apesar da crise Ucrânia

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Putin supera Obama na lista dos 'mais poderosos' da 'Forbes'
Panchjanya/divulgação
Putin supera Obama na lista dos 'mais poderosos' da 'Forbes'

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, condenou os governos ocidentais por isolarem Moscou, em seu discurso anual para o Parlamento nesta quinta-feira (4).

"Cada vez que alguém acredita que a Rússia se tornou muito forte e independente, aplicam imediatamente este tipo de medidas", disse Putin no discurso do estado da nação.

Putin disse que a Rússia não iria escolher o caminho do isolamento e iria continuar a cooperar com os Estados Unidos e a Europa, apesar da crise Ucrânia.

O presidente disse ainda que as sanções ofereceram um estímulo para a economia russa e que a Rússia permanece aberta para o investimento estrangeiro.

As sanções econômicas dos EUA e da UE por causa da interferência russa no conflito da Ucrânia e a queda de preços do petróleo estão afetando o país. O governo alertou sobre recessão no ano que vem.

Ucrânia

Sobre a situação na Ucrânia, Putin disse que o presidente legítimo do país, Viktor Yanucovich, foi derrubado.

Yanucovich, que era aliado da Rússia, deixou o poder depois de uma série de manifestações e, após a realização de eleições, foi substituído por Petro Poroshenko, que é alinhado com os países ocidentais.

Depois da queda de Yanucovich, Moscou anexou a península da Crimeia, onde a maioria da população tem etnia russa.

Putin defendeu a ação nesta quinta dizendo que os moradores da Crimeia são "nosso povo".

Leia tudo sobre: Vladimir PutinRússiaEstados UnidosUnião EuropéiaMundoSançõesPaísPresidenteEuropaParlamento