Anfavea foi contra aumentar mistura de etanol, diz Unica

Luiz Moan, deve se manifestar sobre esse assunto nesta quinta, durante divulgação dos dados mensais do desempenho do setor automotivo, que deve ocorrer em São Paulo

iG Minas Gerais |

Mistura de álcool na gasolina só deve subir depois de março
Divulgação – 12.3.2011
Mistura de álcool na gasolina só deve subir depois de março

Ribeirão Preto. O diretor técnico da União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica), Antonio de Padua Rodrigues, afirmou que o aumento da mistura do etanol anidro à gasolina de 25% para 27,5% só não foi autorizado pelo governo por pressão da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Segundo ele, na reunião para discutir o assunto, nesta semana, da qual participaram as duas entidades e o governo, a Anfavea informou que não havia uma definição técnica sobre o impacto do aumento da mistura em carros importados e sinalizou que 27,5% de etanol na gasolina poderia prejudicar bicos injetores e bombas de combustíveis nesses veículos.

“A Anfavea foi contra o aumento da mistura, por essa questão do impacto em carro importado, e ameaçou responsabilizar o governo caso houvesse a necessidade de recall (futuro) nos veículos”, disse Padua. O executivo explicou que a entidade deve fazer testes em 11 veículos importados até o final de janeiro, e que uma nova reunião para discutir o aumento da mistura está programada para 2 de fevereiro de 2015. “Dentro do processo natural, o aumento de mistura só deve ocorrer em 1º de março”, disse, salientando que a Unica defende o aumento imediato do porcentual do anidro à gasolina.

Procurada pela reportagem, a Anfavea informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o presidente da entidade, Luiz Moan, deve se manifestar sobre esse assunto nesta quinta, durante divulgação dos dados mensais do desempenho do setor automotivo, que deve ocorrer em São Paulo.

Cide. Outro pleito do setor para aumentar a competitividade do etanol, o retorno da cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre a gasolina, ocorrerá, segundo Padua, “não por conta das vantagens do etanol, mas porque o Tesouro está falido e precisa tributar”, disse. Para o diretor da Unica, o governo ainda estaria inseguro em retomar a cobrança.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave