Ministro da Agricultura diz que não tem envolvimento em esquema

Neri Geller emocionou-se em seu depoimento: "Posso ser investigado, mas não quero ser achincalhado e não vou ser. Para depois sair daqui e falarem que é mais um corrupto solto na rua? Não é certo"

iG Minas Gerais | Da Redação |

Neri Geller, ministro da Agricultura, explicou ainda que dos R$ 136 bilhões para o Plano Safra 2013/2014, que termina dia 30 deste mês, foram tomados empréstimos no total de R$ 127 bilhões em dez meses
ebc/dIVULGAÇÃO
Neri Geller, ministro da Agricultura, explicou ainda que dos R$ 136 bilhões para o Plano Safra 2013/2014, que termina dia 30 deste mês, foram tomados empréstimos no total de R$ 127 bilhões em dez meses

O ministro da Agricultura, Neri Geller (PMDB-MT), reafirmou nesta quarta-feira (3) que não tem envolvimento no suposto esquema de venda ilegal de terrenos destinados à reforma agrária, foco da Operação Terra Prometida, da Polícia Federal.

Dois irmãos do ministro, Odair e Milton Geller, são suspeitos de participar do esquema e foram presos na operação na semana passado. "Cheguei no ministério pela força do meu trabalho. Eu tenho a mão grossa, mas é de trabalhar. Vou tranquilo e com a consciência tranquila. Não sou, nunca fui e, se Deus quiser, nunca serei malandro", afirmou durante audiência na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados.

Durante sua fala, Geller emocionou-se em diversos momentos. E afirmou que não está sendo investigado. Num dos depoimentos à PF, uma testemunha apontou nomes de pessoas que seriam "laranjas" do ministro. Segundo Geller, contudo, não foi aberto inquérito para apurar sua suposta participação no esquema diante da falta de provas.

"Posso ser investigado, mas não quero ser achincalhado e não vou ser. Para depois sair daqui e falarem que é mais um corrupto solto na rua? Não é certo. Quero que olhem o que está acontecendo lá. Faço um pedido especial à imprensa", disse.

"A Polícia Federal está fazendo o trabalho dela. Colocou em seu site bem claro que não estou sendo investigado. Não tenho problema de ser investigado. Podem me investigar, mas gostaria que fosse justo", afirmou.

Ele disse que acredita na inocência dos irmãos, mas voltou a afirmar que ambos são "maiores de idade" e que, caso tenham cometido alguma irregularidade, devem ser punidos. "O Milton, meu irmão que está preso, mora em Nova Mutum [no Mato Grosso] num apartamento alugado. Podem ir lá ver", afirmou.

Geller deve ser substituído como titular do ministério da Agricultura pela senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). Ele afirmou que sempre soube que cumpriria um mandato temporário no ministério. Fez ainda elogios à senadora por ser uma grande liderança no setor do agronegócio.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave