Lais Souza voltará ao Brasil e será homenageada pelo COB

Atualmente, a ex-atleta vive em Miami, nos Estados Unidos, onde faz um tratamento para tentar curar a paralisia

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Agora, Lais realiza terapia de ressocialização, para que possa seguir com sua vida normalmente
Reprodução/Instagram
Agora, Lais realiza terapia de ressocialização, para que possa seguir com sua vida normalmente

Pela primeira vez desde que sofreu um grave acidente durante treino de esqui aéreo para os Jogos Olímpicos de Inverno, a ex-ginasta Lais Souza, 25, voltará ao Brasil na próxima semana.

O retorno de Lais ao país coincide com o seu aniversário de 26 anos. No Brasil, ela será homenageada pelo COB (Comitê Olímpico Brasileiro) durante o Prêmio Brasíl Olímpico, que será realizado no dia 16 de dezembro, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

De acordo com Antonio Luis, pai da ex-ginasta, Lais deverá ficar aproximadamente dois meses no Brasil.

"A Lais está muito animada e deve chegar ao Brasil na próxima quarta-feira. Ela deverá ficar um período no Rio de Janeiro, em São Paulo e acredito que terá uma passagem rápida por Ribeirão Preto", disse Antonio Luís, 57, citando a cidade natal da ex-ginasta.

Lais, 25, se acidentou no dia 27 de janeiro, quando se preparava para competir nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, que foram disputados em Sochi, na Rússia. Ela se chocou contra uma árvore, lesionou a coluna e ficou paralisada do ombro para baixo. Ela integrou a equipe brasileira de ginástica na Olimpíada de Atenas-2004 e Pequim-2008.

Lais é uma das pacientes especiais do Miami Project, que conta com mais de 300 cientistas procurando métodos para a cura da paralisia e para a melhora da qualidade de vida de acidentados. Ela foi, por exemplo, a primeira pessoa nos EUA autorizada a receber tratamento com células tronco.

Lais sofreu o acidente em Salt Lake City, cidade norte-americana onde treinava para os Jogos de Inverno, mas foi transferida menos de dez dias depois para Miami, onde estão os principais centros médicos do mundo para recuperação de paralisia. Ela recebeu alta em junho, mas já havia iniciado o tratamento