Ex-diretor da Petrobras preso na Operação Lava Jato deixa cadeia

Acusado de integrar esquema de desvio de dinheiro da Petrobas, Duque deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba nesta quarta-feira

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Envolvimento. Ex-diretor de Serviços, Renato Duque pode ser convocado a depor na CPI da Petrobras
PROMMINP / DIVULGAção
Envolvimento. Ex-diretor de Serviços, Renato Duque pode ser convocado a depor na CPI da Petrobras

Beneficiado por um habeas corpus expedido pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, o ex-diretor da Petrobras Renato Duque deixou nesta quarta-feira a carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, onde estava preso desde o dia 14 de novembro, em meio à sétima fase da Operação Lava Jato.

Duque é acusado de participar do esquema criminoso de superfaturamento de contratos da Petrobras, formação de quartel por empreiteiras e pagamento de propina a partidos e agentes políticos. Ele foi citado pelo doleiro Alberto Youssef e pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa, réus no processo, como um dos beneficiários do esquema que, de acordo com a PF, pode ter movimentado mais de R$ 10 bilhões.

Antes de o habeas corpus do STF, a defesa de Renato Duque havia tentado, sem sucesso, libertar o ex-diretor. No dia 20 de novembro, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, negou o pedido de habeas corpus para que Duque deixasse a cadeia.

Em liberdade, Duque deve entregar o passaporte à Justiça e não poder deixar o país. Ele também está proibido de mudar de endereço e é obrigado a comparecer a todos os atos processuais quando for intimado.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave