Confira a análise do SuperFC sobre os rivais da Raposa na Libertadores

Com participação em várias edições e dois títulos na competição, Cruzeiro chega como favorito em seu grupo

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Cruzeirenses festejaram muito o gol de Willian
DENILTON DIAS / O TEMPO
Cruzeirenses festejaram muito o gol de Willian

O Cruzeiro caiu no Grupo 3 da Copa Libertadores, em sorteio realizado nessa terça-feira, e se mostrou satisfeito com a chave que terá pela frente no torneio continental em 2015, quando buscará o tricampeonato da competição. Confira a análise que o SuperFC preparou sobre cada um dos adversários celestes na fase de grupos:

Mineros de Guayana - Venezuela

Um clube ainda jovem, com apenas 33 anos de idade, mas que irá disputar pela quinta vez em sua história a Copa Libertadores (1990, 1997, 2005, 2008 e 2015), a terceira edição diretamente na fase de grupos. A classificação à competição continental é fruto da conquista do Torneio Apertura da Venezuela, em 2013, título esse sacramentado com uma vitória, por 3 a 1, sobre o Deportivo Lara, diante de mais de 40 mil torcedores.

Conhecido como Negriazul pelo tricolor de seu uniforme (azul, preto e branco), os Mineros ocupam atualmente a nona posição do Torneo Apertura 2014, com 21 pontos (cinco vitórias, seis empates e quatro derrotas). Fundada em 1981, é um clube audacioso, que manda suas partidas em "El Centro Total de Entretenimiento Cachamay", um estádio multiuso, com mais de 40 mil lugares, totalmente modernizado e reinaugurado em 2007.

Campeão nacional pela primeira vez na temporada 1988/1989, ainda possui duas Copas Venezuela, além de participações seguidas em torneios internacionais sem muito sucesso. Em 1990 e 1997, anos em que disputou diretamente a fase de grupos da Libertadores, finalizou sua passagem pelo torneio sempre na última posição de sua respectiva chave.

Universitario Sucre - Bolívia

Os cruzeirenses já enfrentaram os bolivianos pela Libertadores de 2009, acumulando duas vitórias, entre elas um triunfo por 1 a 0, conquistado nos 2800 metros de altitude de Sucre. O Universitario é o atual campeão do Clausura, mas possui um currículo bastante modesto em torneios internacionais.

Fundado em 1961, a equipe disputou a Copa Sul-Americana pela primeira vez em 2006, e em 2010 obteve desempenho razoável. O Sucre eliminou Colo-Colo, do Chile, e Cerro Porteño, do Paraguai, até ser eliminado pelo Palmeiras nas oitavas de final. Neste ano, a equipe caiu na segunda fase do torneio ao ser eliminada pelo Universidad César Vallejo, do Peru.

A primeira participação dos bolivianos na Libertadores não foi das melhores. Em 2009, o Universitario, então campeão nacional, ficou na lanterna do Grupo 5 com apenas dois pontos em seis partidas. A equipe manda seus jogos no estádio Olímpico Pátria, com capacidade para 30 mil espectadores.

Huracán ou adversário peruano

A equipe disputará a primeira fase da Libertadores (ou Pré-Libertadores) graças ao título da Copa Argentina, conquistada este ano em cima do Rosario Central. O clube, apelidado carinhosamente de "El Globo", está na segunda divisão desde 2011 e não comemorava um título há 41 anos.

Com sede em Parque Patricios, na grande Buenos Aires, o Huracán conquistou cinco campeonatos argentinos, o último deles em 1973. Bem distante dos áureos tempos, a equipe volta a disputar a Libertadores depois de 40 anos.

Em 1974, o time chegou à semifinal do torneio, mas acabou caindo em um triangular que contava com o Peñarol, do Uruguai, e o rival Independiente, que se tornou o campeão daquela edição.

Na primeira fase da Libertadores 2015, o Huracán aguarda a definição da terceira equipe peruana classificada ao torneio internacional. Neste momento, a disputa está entre Melgar e Alianza Lima, com o segundo ao menos garantido na "Pré-Libertadores" por ter conquistado o Torneio del Inca, a Copa Nacional do Peru. O Melgar torce pelo sucesso do rival Alianza Lima no Clausura para herdar o terceiro posto do país na classificação geral.

Leia tudo sobre: caminhocruzeirolibertadores