Brasil garante final e cinco semifinais na estreia do Mundial em Doha

Cesar Cielo fez o melhor tempo dos brasileiros no revesamento do 4x100 m livre, mas não deve disputar a decisão

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O primeiro brasileiro medallhista de ouro na história das Olimpíadas entrou na prova dos 50 m como coadjuvante. Quando o tiro da largada ecoou pelo Centro Aquático de Pequim, o famoso Cubo, Cielo disparou e a água o absorveu por completo. Na última braçada, a conquista. O francês Alain Bernard e o australiano Eamon Sullivan bem que tentaram, mas o título olímpico já estava reservado. Cielo era o nome da fera que cortou as águas chinesas.
Associated Press
O primeiro brasileiro medallhista de ouro na história das Olimpíadas entrou na prova dos 50 m como coadjuvante. Quando o tiro da largada ecoou pelo Centro Aquático de Pequim, o famoso Cubo, Cielo disparou e a água o absorveu por completo. Na última braçada, a conquista. O francês Alain Bernard e o australiano Eamon Sullivan bem que tentaram, mas o título olímpico já estava reservado. Cielo era o nome da fera que cortou as águas chinesas.

O Brasil começou bem o Mundial de Piscina Curta (25m), nesta quarta-feira, em Doha (Catar) e já garantiu vaga na final do 4x100 m livre masculino, após fazer o segundo melhor tempo, 3m07s84, e ficar atrás apenas da Itália, que passou em primeiro, com a marca de 3m07s65. A estrela das piscinas, Cesar Cielo ajudou o quarteto a se classificar para a  final e  fez a melhor parcial entre os brasileiros, 45s53, seguido por Alan Vitória (46s78), Henrique Rodrigues (47s47) e Henrique Martins (48s06). Após o feito, Cielo afirmou que o Brasil fez uma grande marca e se classificou bem para a final do 4x100 m livre.

“Foi um tempo bacana. Todo mundo nadou bem, mas sabemos que muitos nadadores que nadaram as eliminatórias não serão os mesmo da tarde. Acho que Estados Unidos e Rússia estão um pouco acima da gente, mas é final, tudo pode acontecer. Acho que as viradas de todo mundo podem melhorar muito. Essa competição tem uma coisa nova que atrapalha a virada: um relógio no fundo para as provas de fundo e a gente não vê direito o ”t” da raia. Mas isso a gente vai ter que se acostumar”, avaliou.

Mesmo fazendo o melhor entre os brasileiros na anhã desta quarta-feira, o campeão  Olímpico provavelmente não estará na final do 4x100 m livre. Isto porque Cielo deverá disputar  outras provas, em que tem mais chances de medalhas e por isso, a comissão técnica deverá repensar os nadadores que vão participar da decisão.

“Eu estou focando em todas as provas que tem possibilidade real de medalha e acho que o 4x50m medley do Brasil pode ganhar. Temos chances excelentes nessa prova e vou fazer tudo para conquistar o maior número de medalhas possível. Acho esse revezamento muito empolgante e espero que tenha chegado pra ficar no programa. A gente quer sair daqui com bastante medalha. Os técnicos vão decidir, mas amanhã (quinta-feira) nado os 50m livre e, passando, o 4x50m medley na final”, afirmou o campeão.

Além da final dos 4x100, o Brasil se garantiu em mais cinco semifinais. Os nadadores Felipe França (100 peito), Nicholas Santos e Marcos Macedo (100m borboleta), Guilherme Guido (100m costas) e Etiene Medeiros (100 m costas), ficaram entre os 16 melhores das respectivas provas.

Além de avançar na competição, Etiene conseguiu fazer história nas piscinas ao bater o próprio recorde sul-americano do 100m costas. A pernambucana fechou a prova com o tempo de 57s36,   superando os 57s53 feitos por ela no Torneio José Finkel, em setembro. Com a parcial, Medeiros chegou em sexto e se garantiu nas semifinais.

“Dei tudo de mim e estou bem feliz. Estava nervosa. Parecia uma atleta infantil. Mas aí é que está o amadurecimento porque a gente aprende a controlar isso. Agora vamos pensar em nadar à tarde pra entrar na final. Esse tempo foi bastante motivador”, afirmou a nadadora.

A equipe do Brasil volta às piscinas do Mundial de Doha na tarde desta quarta-feira, às 13h (de Brasília). Confira os resultados dos brasileiros que disputaram o primeiro dia de eliminatórias da competição:

Eliminatórias – 3/12 – Primeira Etapa 200m livre – 19º João de Lucca (1m44s00)/ 29º Gustavo Godoy (1m46s06) 50m peito – 23ª Ana Carvalho (30s94) 100m costas – 11º Guilherme Guido (51s05) – semifinal / 23º Lucas Salatta (52s08) 100m peito – 2º Felipe França Silva (57s13) – semifinal / 23º João Gomes Jr (59s05) 100m costas – 6º Etiene Medeiros (57s36) –RB/RSA – semifinal 100m borboleta – 11º Marcos Macedo (50s76)/ 13º Nicholas Santos (50s86) 4x100m livre – 2º Henrique Martins, Cesar Cielo, Alan Vitória e Henrique Rodrigues – Final (3m07s84)