“Leal é como se fosse um irmão para mim. Nos conhecemos em Cuba.”

Yadrián Escobar - Oposto do Minas

iG Minas Gerais |

Você e Leal são grandes amigos, certo? Sim, ele é como se fosse um irmão para mim. Nos conhecemos em Cuba, quando jogávamos vôlei de quadra. Depois fui jogar na areia, mas mantivemos o contato e a amizade. Eu conheço a esposa dele e temos uma vivência boa há muitos anos.

Como foi ficar dois anos parado, já que o governo de Cuba tem essa exigência para os atletas que saírem do país? Foi difícil, mas era necessário para atender a exigência do governo cubano. Parei de treinar e fazer qualquer atividade física, perdi praticamente toda a forma que havia conquistado. Eu só estudava licenciatura. Quero ser professor de vôlei em Cuba e ensinar o esporte para crianças quando eu me aposentar das quadras.

Esse início de temporada no Brasil te surpreendeu? Não muito. Estou rendendo dentro do que imaginava para mim e para a minha equipe, mas sei que ainda posso dar mais. Ainda cometo alguns erros, principalmente na parte defensiva das partidas. No Brasil, a nossa comunicação é bem mais fácil, e as pessoas são muito amáveis com a gente. Isso acaba ajudando para uma boa performance dentro das quadras nas competições.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave