Suborno é crime de países desenvolvidos, diz OCDE

Dados da organização mostram que 80% das propinas são pagas a funcionários de estatais

iG Minas Gerais | Da redação |

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)fez um retrato, pela primeira vez, dos casos de suborno internacional e concluiu que é um crime de países desenvolvidos, está ligado principalmente aos quadros superiores das empresas e que são os funcionários públicos quem mais recebem subornos.

Os chefes frequentemente têm conhecimento que subornos são pagos a autoridades públicas em outros países para ganhar contratos e fugir da burocracia, de acordo com o levantamento. O estudo descobriu que a gerência corporativa tinha conhecimento em mais da metade das 427 ações de execução realizadas desde que sua Convenção Antissuborno passou a valer, há 15 anos, e que é assinada por 41 países.

As análises dessas ações descobriram que, em 41% dos casos, funcionários do nível de gerência sabiam que subornos estavam sendo pagos, e presidentes/executivos estavam envolvidos em 12% dos casos.

O estudo divulgado ontem revela que mais de 80% dos subornos são pagos a funcionários de empresas públicas. Logo a seguir, surgem os chefes de Estado, que recebem quase 7% dos subornos pagos e em terceiro os ministros dos governos, com 4,08%.

A OCDE concluiu que os subornos servem em especial para convencer gestores públicos a atribuir contratos às empresas, que corresponde a 57% dos casos, mas a corrupção também existe em questões alfandegárias (12%).

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave