Tumulto suspende sessão para votar meta fiscal

Deputados, seguranças do Congresso e manifestantes envolvem-se em um tumulto nas galerias do Plenário; policiais legislativos foram chamados

iG Minas Gerais | Da redação |

Tumulto interrompeu votação da meta fiscal
Lucio Bernardo Jr. / CÂMARA dos Deputados
Tumulto interrompeu votação da meta fiscal

Por volta das 20h desta terça-feira (2), deputados, seguranças do Congresso e manifestantes envolvem-se em um tumulto nas galerias do Plenário, cujo esvaziamento foi determinado pelo presidente do Congresso, Renan Calheiros, depois de alguns deles terem chamado a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) de "vagabunda" enquanto ela discursava.

Deputados da oposição estão nas galerias tentando evitar que os policias legislativos retirem alguns manifestantes. Alguns parlamentares entraram em conflito com seguranças. Ainda não há previsão de horário de retomada da sessão.

CLIQUE AQUI para assistir à sessão ao vivo.

Disputa

As questões regimentais dominaram a primeira hora da sessão do Congresso e atrasaram o início da votação dos vetos que trancam a pauta. Esses vetos impedem a análise da mudança no superavit primário, que vai desobrigar o governo de cumprir a meta atual (PLN 36/14). O projeto é prioridade para o governo na noite desta terça.

A oposição questionou a sessão realizada na semana passada, cobrou discussão individual dos itens e pediu a abertura das galerias para populares contrários à mudança no superavit. O deputado Felipe Maia (DEM-RN) pressionou pela abertura das galerias para cerca de 40 manifestantes barrados.

Já o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, rejeitou as críticas e disse que o acesso ao Plenário foi liberado por senhas de acordo com o tamanho de cada partido. "O que pedem é a partidarização das galerias, não é a democratização das galerias", afirmou.

Expulsão

A interferência das galerias – com gritos, palmas e cantos – durante o andamento da sessão levou o presidente Renan a exigir a expulsão dos populares do Plenário, motivado pela líder do PCdoB, deputada Jandira Feghali (RJ). Ela pediu a saída dos populares depois que eles chamaram a senadora Vanessa Graziottin (PCdoB-AM) de "vagabunda" enquanto ela falava. "Numa sessão em que se debate política, não se admite que uma parlamentar seja chamada de vagabunda", disse.

A meta de superavit esteve no centro da disputa. O deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) criticou o decreto do governo que condiciona a liberação de recursos orçamentários à mudança na meta de economia do governo. O líder da Minoria, deputado Domingos Sávio (PSDB-MG), também criticou a alteração. "A oposição se preocupa com superavit e com gastos abusivos que saem pelo ralo da corrupção", disse.

Já o líder do governo, deputado Henrique Fontana (PT-RS), defendeu a política governista. Ele disse que os gastos foram necessários para aquecer a economia em um momento de crise. "Estamos no maior momento de geração de empregos, o menor nível de desemprego", disse.