Quase dois anos após tragédia, começa limpeza na boate Kiss

Trabalho pode durar mais de uma semana, durante este tempo a fachada da boate e o telhado serão revestidos com lonas para evitar disseminação de poeira tóxica

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Começou nesta terça-feira (2) uma operação de limpeza do interior do prédio da boate Kiss, em Santa Maria (RS), onde um incêndio provocou a morte de 242 pessoas em janeiro de 2013.

Técnicos contratados pela empresa proprietária do imóvel vão recolher fuligem e destroços que podem conter resíduos tóxicos gerados pelo fogo. No ano passado, uma análise de resíduos feita pelo Centro de Referência em Saúde do Trabalhador apontou a presença no local de ao menos 17 substâncias químicas nocivas à saúde.

Durante a limpeza, a fachada da boate e o telhado serão revestidos com lonas para evitar a disseminação da poeira tóxica. A rua em frente à casa noturna permanecerá interditada enquanto durar o trabalho, que pode se estender por mais de uma semana. Na manhã desta terça, começou a montagem da estrutura de proteção no local.

A empresa dona do imóvel, a Eccon Empreendimentos, não pertence aos donos da boate, que alugava o prédio, mas a Justiça gaúcha a obrigou a realizar o procedimento de limpeza devido ao risco ambiental. A Eccon afirma que vai levar os resíduos a um local que não cause danos ao meio ambiente e dará a destinação adequada.

O custo total da operação é estimado em R$ 100 mil. A empresa pretende buscar o ressarcimento das despesas, junto aos réus que respondem pelas mortes na Justiça.

Dois sócios da casa noturna, o vocalista da banda Gurizada Fandangueira e o produtor do grupo ficaram quatro meses detidos em 2013 e são acusados de 242 homicídios. O processo ainda está na fase de audiências com testemunhas.

O prédio da casa noturna, no centro do município, está fechado apenas com tapumes e permanece praticamente da mesma maneira que estava logo após a tragédia.

Grande parte do interior do prédio ainda está intacto, já que o fogo não chegou a atingir todos os cômodos. As vítimas morreram porque entraram em contato com uma fumaça tóxica liberada pela queima de uma espuma usada como revestimento acústico.

Três familiares de vítimas pediram à Justiça para entrar no local para procurar pertences. O juiz responsável disse que a Fundação de Proteção Ambiental do Estado deve avaliar a viabilidade do pedido e analisar a possibilidade de agrupar objetos encontrados na operação de limpeza para a entrega aos parentes. Na semana da tragédia, documentos e telefones celulares que estavam no prédio foram recolhidos pela polícia.

O futuro do local onde ocorreu a tragédia é incerto. Familiares das vítimas defendem a desapropriação para a construção de um memorial aos mortos. A empresa proprietária afirma que, por enquanto, o imóvel está sob responsabilidade da Justiça.

Leia tudo sobre: boate kisslimpezatragédia