Monteiro defende fortalecimento industrial

Em seu primeiro discurso como ministro oficializado, Monteiro afirmou que o que mais preocupa no resultado da balança comercial é a queda na exportação de produtos manufaturados

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Em meio a críticas ao intrincado sistema tributário brasileiro, à burocracia, infraestrutura precária e a outros fatores que desestimulam o investimento, o novo ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, disse ter sido escolhido pela presidente Dilma para fazer uma maior interlocução com o setor produtivo.

Em seu primeiro discurso como ministro oficializado, nesta segunda-feira (1º), Monteiro afirmou que o que mais preocupa no resultado da balança comercial brasileira, que periga terminar o ano em deficit, é a queda na exportação de produtos manufaturados, que foi de 10% este ano.

"A indústria tem papel central na agenda de crescimento do país. Não há como crescer mais sem que a indústria tenha dinamismo. Crescer pela indústria é sempre o melhor caminho", afirmou, destacando a relação da atividade industrial com criação de empregos de qualidade e desenvolvimento tecnológico.

Monteiro foi o quarto ministro escalado oficialmente para compor a equipe do segundo mandato de Dilma, e passa a despachar, desde já, ao lado do ainda ministro Mauro Borges.

Na semana passada, foram escalados Joaquim Levy para a Fazenda e Nelson Barbosa para o Planejamento, que, por ora, trabalham no Palácio do Planalto. Alexandre Tombini foi convidado a permanecer no comando do Banco Central.

Monteiro é senador pernambucano, pelo PTB. Foi presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria) de 2002 a 2010 e perdeu, neste ano, a disputa pelo governo do Estado de Pernambuco para Paulo Câmara (PSB).

Em seu discurso, reforçou que o desafio central de sua gestão será promover a competitividade, reduzir custos e elevar a produtividade da indústria brasileira.

Eixos

Monteiro destacou que irá buscar medidas que não demandem "muito esforço fiscal", mas que podem melhorar a competitividade da indústria brasileira, como desburocratização e aperfeiçoamento do ambiente regulatório e tributário.

"Acho que há espaço para fazer política industrial como aliança entre o setor produtivo e o governo para promover a competitividade."

Ele citou cinco eixos de atuação. O primeiro vai na direção de reformas para reduzir impacto fiscal, com desburocratização e simplificação dos processos para facilitar o comércio exterior. Outro eixo se refere a uma "política de comércio exterior mais ativa", com ampliação dos acordos comerciais com parceiros estratégicos.

Investimento e renovação do parque fabril, com o apoio de bancos públicos, será outra prioridade. Os outros dois eixos são um "arranjo institucional" que favoreça e estimule a inovação e um aperfeiçoamento do sistema de governança, no sentido de ampliar a competitividade.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave