Falta de água fez seleção treinar mais, diz brasileira campeã mundial

Ana Sátila Vargas afirma estar acostumada com os problemas naturais que influenciam os treinamentos da canoagem

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Ana Sátila é uma das favoritas ao título do Mundial sub-23 de canoagem
Divulgação/ CBC
Ana Sátila é uma das favoritas ao título do Mundial sub-23 de canoagem

Uma brasileira está entre as favoritas ao título do Mundial sub-23 de canoagem, que vai ser disputado em abril, em Foz do Iguaçu: Ana Sátila Vargas, 18.

"Vale muito em um campeonato a experiência que você tem na pista. E a nossa é muito boa. Mesmo com este período sem água, ainda temos mais de três meses de treino antes do Mundial", explica a atual campeã mundial júnior (até 18 anos).

Mais jovem representante do Brasil nos Jogos de Londres-2012, Ana Sátila já está acostumada com os problemas naturais da modalidade.

"Na canoagem tudo pode acontecer em razão da natureza, às vezes a gente vai para uma competição, chove muito no dia e é preciso cancelar", lembra a canoísta.

Neste recente período de estiagem, os atletas da seleção viajaram para campeonatos nacionais e internacionais. Quando estavam em Foz do Iguaçu, os treinos foram de musculação, natação e em "água parada", no lago.

"Por um lado é ruim ficar sem água. Mas nunca treinamos tão intensamente quanto agora, a equipe inteira sentiu melhoria na parte física", afirmou Ana Sátila, que cursa o primeiro ano de Educação Física na cidade. Estudar é uma das obrigações para permanecer na seleção.

"O problema não é exclusivamente de treino, tem a questão educacional que é tão importante quanto os resultados desportivos. Tirar uma equipe de jovens atletas acadêmicos de uma cidade por um período de 30 dias ou mais compromete muito a questão do rendimento escolar", comentou Argos Dias Rodrigues, superintendente da CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem).

Leia tudo sobre: canoagemana satila vargasmundial de canoagemsub 23