Bate-papo com leveza e sem regras

Em clima de informalidade, atração com a cartunista estreia no primeiro semestre de 2015, no Canal Brasil

iG Minas Gerais |

Desafio. Laerte agora se prepara para um novo momento, agora como entrevistador
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Desafio. Laerte agora se prepara para um novo momento, agora como entrevistador

São Paulo. “As respostas têm que ser telegráficas?”, pergunta o cantor Tom Zé à equipe do talk-show “Transando com Laerte”. Diante da negativa, emenda mais uma dúvida: “Se eu quiser, posso ficar de pé durante a entrevista?”.

A equipe do programa, que estreia no primeiro semestre do ano que vem no Canal Brasil, explica a proposta. Pode levantar da cadeira, pode mudar de assunto, pode falar o quanto quiser. Sem regras. A cartunista Laerte recebe seus convidados para um bate-papo solto, como ela própria define, na sala de uma casa em Perdizes, zona Oeste de São Paulo.

O clima é bem informal. Durante a conversa com o músico, Laerte beberica um café servido direto da cafeteira italiana. A câmera capta uma cozinha ao fundo, uma mesa cheia de materiais de desenho ao lado da dupla – sentada em poltronas –, uma garrafa de bebida numa mesinha e quadros na parede.

Para cada entrevistado, a cartunista pensa num tema específico para nortear a conversa. Com Tom Zé, seria plantas – um dos hobbies do cantor é a jardinagem. Depois da pergunta inicial, porém, o artista muda de assunto e engata uma conversa longa sobre literatura, filosofia e música. “Não se fala mais de botânica. A conversa foi para qualquer lado, como muitas vezes acontece. Acho ótimo. O tema é só um ponto de partida”, diz Laerte, após a gravação do episódio com Tom Zé.

O mesmo assunto serve de base para o cartunista Rafael Coutinho, filho de Laerte, elaborar um desenho em parceria com um convidado seu. A edição do programa, que condensa quase uma hora de conversa em 15 minutos, combina trechos da entrevista com imagens da produção do desenho.

A ideia inicial era que a própria Laerte – que hoje assumiu identidade feminina – fizesse a parte artística e elaborasse um retrato de seu entrevistado. “Fiz experiências e achei que não ia dar certo. Não desenho tanto assim”, explica.

Receosa com a experiência de tocar um talk-show sozinha, ela teve outra ideia. “Falei para o canal que se o Rafael participasse, eu topava produzir o programa. Ele é um monstro”, elogia o pai. Laerte conta que escolheu entrevistados com quem já tinha um bonde andando. Tom Zé, por exemplo, já tinha lhe dito que gostava de plantas. Às vésperas de gravar com o diretor Zé Celso Martinez Corrêa, foi ao Teatro Oficina começar uma transação com Zé Celso. “Com todos eles eu tenho um terreno comum. Se há alguma estrutura na escolha dos participantes, é essa”, afirma Laerte.

Entre os outros convidados da atração estão os escritores Ferréz e Paulo Lins, o cartunista Angeli, a atriz Marisa Orth, o humorista Gregorio Duvivier, o cronista Antonio Prata, dentre outras personalidades da vida cultural brasileira.

Ao todo, serão 26 episódios na primeira temporada de “Transando com Laerte”, que deve ocupar a faixa da 0h do Canal Brasil.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave