Dirigente entrará com ação na Justiça Comum para defender América

Deputado e um dos membros do Conselho de Administração do América entende que CBF tem responsabilidade no caso

iG Minas Gerais | Lohanna Lima |

Se dentro das quatro linhas a Série B já terminou, fora delas a competição irá parar na Justiça Comum. Um dos membros do Conselho de Administração do América e também deputado estadual, Alencar da Silveira Júnior informou neste domingo que entrará com uma ação contra a CBF para que o clube seja ressarcido pela entidade.

O processo se deve pela perda de seis pontos no campeonato após a escalação irregular do lateral Eduardo, o que acarretou a permanência do clube na Segunda Divisão do Nacional. O Coelho não subiu por um ponto. Além da ação, o deputado encaminhará uma petição à Assembleia Legislativa de Minas Gerais contra a posição da CBF no caso.

“Estou movendo uma ação como deputado e cidadão, não como presidente do América. Quando o Eduardo foi inscrito, a CBF aceitou. Ela recebe R$ 5.000 por cada inscrição e não faz o seu trabalho, pois não fomos comunicados, logo no primeiro jogo, que o atleta estava irregular, e isso culminou numa sequência de escalações do mesmo, o que nos fez perder os pontos posteriormente”, explicou o dirigente.

Além do ressarcimento financeiro, Alencar aguarda o desfecho do caso Icasa, que entrou na Justiça Comum contra a CBF, fato que prevê exclusão do clube, segundo o Código Brasileiro de Justiça Desportiva.

“Se o Icasa for eliminado, seus resultados serão anulados e, assim, o América terá pontos suficientes para passar o Avaí e o Vasco, e disputar a Série A. Se o Icasa apenas pagar uma multa, a CBF abre precedente. Então, nós também teremos direito de brigar pela vaga na Justiça Comum”. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave