Atualização de termos de uso do Facebook causa alarde exagerado

Após o Facebook anunciar a atualização nos termos de uso, usuários compartilharam na própria rede social uma declaração contra; a medida, no entanto, não traz muitas novidades

iG Minas Gerais | FELIPE BUENO |

Mensagem divulgada pelo Facebook
Reprodução/ Facebook
Mensagem divulgada pelo Facebook

O Facebook, a rede social que lidera o mercado no mundo, anunciou, recentemente, mudanças na sua política de dados, que passa a valer no dia 1° de janeiro. Após receberem o texto que discute a atualização dos termos de dados e privacidade, usuários reagiram, compartilhando através de uma corrente uma declaração, em que demonstram ser contra a mudança.

Há, porém, uma série de equívocos no texto manifesto. A coleta de dados sobre os usuários, usadas pelo o Facebook, dizem respeito à comercialização de anúncios, o que é diferente da comercialização de conteúdo de propriedade intelectual, como os usuários acreditam. O Facebook, como outras redes sociais, se vale de informações do usuário para compartilhar com os anunciantes.

Na prática, uma empresa cria um anúncio e define um tipo de público. As redes sociais ajudam o anunciante, através das informações que os internautas divulgam, a chegar no grupo potencial. É dessa maneira que os seus dados são comercializados. De acordo com os novos termos, o Facebook disse que não vai mudar sua política em relação aos anúncios. E outros sites já fazem isso, não é uma novidade. A rede social, a partir do dia 1º de janeiro, disponibilizará ferramentas para as pessoas escolherem se querem ou não ver um anúncio.

O que os usuários entendem como uso de conteúdo autoral, de propriedade intelectual, sem o prévio consentimento, não é o que o Facebook anunciou e vem sendo alardeado por internautas na própria rede social. Entre os tópicos dos novos termos, existe um que propõe que informações de outras ferramentas e aplicativos da mesma empresa, como o Instagram, possam ser usados na coleta de dados, com o objetivo de exibir anúncios no Facebook.

O controle de privacidade pelos usuários. Para isso, a rede lançou a ferramenta Privacy Basics, em que as pessoas podem controlar o que os outros veem o que é postado. Muitas destas ferramentas de navegação já existem. O Facebook pretende proporcionar ao usuário uma facilidade maior para navegar e definir as próprias configurações de privacidade. Os internautas vão poder escolher os anúncios que desejam ver, além de definir com quais públicos deseja compartilhar algumas informações.

Direitos autorais são assegurados pelo Termos de Uso do Facebook. Uma iniciativa parecida, de usuários do Facebook, circulou em 2012. Na ocasião, o Facebook havia atualizado os termos de uso. Um declaração de propriedade intelectual foi compartilhada na rede, em que se exigia uma proteção para conteúdo pessoal. Contudo, o próprio Facebook mantém uma cláusula de proteção aos direitos autorais.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave