Público devora maquete da capital mineira no CCBB

Em cerca de meia hora, 800 pessoas comeram obra de arte

iG Minas Gerais | Lygia Calil |

undefined

Quem passou pelo Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), na praça da Liberdade, na região Centro-Sul da capital, na manhã deste sábado pôde observar de perto uma impressionante versão de Belo Horizonte em miniatura, toda construída de doces. Obra do chinês Song Dong, a instalação não foi feita somente para ser vista, mas também devorada.

Ocupando 30 m no pátio do CCBB, a instalação foi montada em cinco dias, por uma equipe de 12 pessoas lideradas pelo chinês. Com mais de 600 quilos de biscoitos (água e sal, wafer e recheados), balas e chocolates, a maquete reproduziu ícones importantes do mobiliário arquitetônico da capital, como a praça da Liberdade, o viaduto Santa Tereza e a Casa do Baile, na Pampulha.

“Quando passei pela cidade, no ano passado, vi as obras de Oscar Niemeyer e fiquei com vontade de fazer a maquete”, contou Song Dong, que fez a mesma experiência em outros 11 municípios de oito países. O objetivo dele é provocar uma reflexão sobre a efemeridade da arte e a transformação arquitetônica das cidades.

Aprovação. Prontamente devastada pelas 800 pessoas que passaram por ali, segundo dados da organização, a maquete durou pouco, cerca de 30 minutos. “Foi uma das coisas mais impressionantes que eu já vi. Uma delícia”, comentou a professora Tânia Mara Malaquias, 55.

De visita a Belo Horizonte, a terapeuta baiana Adna Ferreira Rezende, 67, levou os quatro netos, de 8 a 12 anos, para participarem da instalação. “Foi uma farra, todos adoraram”, disse.

Prédios

Exemplos. O chinês reproduziu cerca de cem construções, como edifício Acaiaca, igreja de Lourdes, Mineirão e praças da Estação, da Liberdade e Raul Soares.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave