Muita diversidade na telinha

Há 20 anos, Regina Casé retratava costumes e diferenças do país no programa “Brasil Legal”

iG Minas Gerais | geraldo bessa |

Início. Regina Casé começou seu apelo popular com o “Brasil Legal” há 20 anos com muita cultura
Globo
Início. Regina Casé começou seu apelo popular com o “Brasil Legal” há 20 anos com muita cultura

Mostrar personagens excêntricos e a variedade da cultura popular parece ser a sina de Regina Casé. Ao lado do antropólogo Hermano Vianna, no início dos anos 90, Regina idealizou o “Programa Legal”, projeto base para essa espécie de pesquisa que almeja até hoje nas produções que comanda.

Mas foi exatamente há 20 anos, com o “Brasil Legal”, espécie de desdobramento da primeira produção, que ela ganhou o país. “Era uma época bem insana da minha vida. Passava a maior parte do tempo viajando, conhecendo as pessoas, aprovando pautas e tentando vivenciar essa cultura brasileira tão efervescente. Acho que o grande diferencial do programa era tratar seus temas de forma profunda, mas sem esquecer do humor”, valoriza Regina.

No “Brasil Legal”, nada era descartado. Qualquer personagem tinha seu destaque e o programa foi crescendo na medida em que ia se destacando na programação da emissora. Os bons números de audiência o tornaram ainda maior.

No melhor estilo “uma ideia na cabeça e uma câmera na mão”, a equipe passou a viajar para o exterior no intuito de mostrar como viviam os brasileiros espalhados pelo mundo. “A gente tinha uma liberdade enorme para trabalhar. E fazíamos com gosto. Depois, surgiram programas bem parecidos, acho que fizemos uma escola”, analisa o diretor artístico Guel Arraes, que, inclusive, trabalha com Regina até hoje, como diretor de núcleo do “Esquenta!”.

Com edição rápida e truncada, o programa promoveu encontros entre anônimos e famosos, tocou em questões sociais e ecológicas e mostrou os mais diferentes sons das áreas periféricas do país. “Foi uma forma de o Brasil se reconhecer. O Sudeste se deparar com a música feita no Norte, o Nordeste conhecer costumes pouco explorados do Sul e vice-versa. Era um programa muito experimental em sua linguagem e forma”, defende Hermano.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave